Pular para o conteúdo principal

É preciso ir além dos resultados econômico-financeiros

O Global Compact, da Organização das Nações Unidas, estabelece para o líder do século 21 um papel importante na ampliação dos limites de ação corporativa em sustentabilidade, propondo que ele olhe para além dos resultados econômico-financeiros, faça o negócio criar valor para a sociedade, gerando bem-estar social.

Na visão de Wagner Pinheiro de Oliveira, presidente da Petros, este é um desafio complexo. "Isto significa conseguir mostrar para a sociedade e para os acionistas um compromisso que excede os da governança, ampliando-a. E que esse compromisso vai gerar sim retorno para os investimentos", arrisca. Sérgio Amoroso, diretor-presidente do Grupo Orsa, complementa: "O desafio é enxergar o que eu chamo de dinheiro invisível, presente na sociedade. Identificar as oportunidades é o grande desafio".

Olinta Cardoso, diretora de Comunicação Institucional da Companhia Vale do Rio Doce, compartilha da visão estabelecida pelo Global Compact. Segundo ela, o compromisso foi colocado para todas as lideranças da Vale. "E hoje há um esforço grande, um processo de desenvolvimento de competências que leva o líder a considerar não só o negócio, mas as questões sociais e ambientais como princípios de gestão", afirma.
Cledorvino Belini, presidente da Fiat no Brasil, adota a mesma opinião. Para ele, consolidar um "paradigma autêntico de responsabilidade social" demanda muito investimento por parte da empresa. Ainda assim, o esforço não deve ser apenas financeiro. "Exige atitude, desejo de mudança e consciência de cidadania. Exige compromisso com a modernidade, com seus parceiros de negócios em uma estratégia que incorpore o interesse articulado de todos em direção à sustentabilidade, ou seja, sobre sólido tripé: fortalecimento dos negócios, com eqüidade social e qualidade ambiental". Sem a combinação harmônica destes fatores nos processos de tomada de decisão empresarial - crê Belini - não haverá, no cenário internacional, mais "marca ou negócio que se mantenha perene".

Sérgio Rosa, presidente da Previ, tem um ponto de vista diferente dos demais líderes ouvidos. "É complicado dizer que a empresa tem responsabilidade em gerar bem-estar social, porque isso é muito amplo. E pode confundir um pouco. A sua função é fazer negócio. O que se prega é que esse negócio seja feito com eficiência econômica, em primeiro lugar. E que, dentro do conceito de eficiência econômica, junte-se consciência social e ambiental", argumenta.


Fonte: Gazeta Mercantil/Caderno A - Pág. 10
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …