Pular para o conteúdo principal

Abre alas

Pode parecer loucura, mas o Carnaval é uma das maiores vitrines comerciais e de branding da face da terra. Dêem uma reparada no número de empresas e marcas que se envolvem com a festa direta e indiretamente. Não vou citar nominalmente ninguém, mas dá para perceber que as maiores marcas do país, independente de serem bens de consumo ou não, estão em Salvador, Recife, Rio de Janeiro, São Paulo e em inúmeras cidades pelo país onde tiver um folião prá lá e para cá no samba.

Aí vem a pergunta: no meio de tanto confusão dá resultado inserir uma marca ou é só uma data que tem que ser aproveitada? Respondendo diretamente: dá muito mesmo. É o grande o momento para fixar uma imagem de marca, uma experiência ou um estilo.

A pergunta seguinte seria: mas serve para tudo e todos isso? A resposta: sim. Dá para divulgar desde cerveja, vodca, ar-condicionado, celular, azulejos e até bancos de investimentos, a prova disso, por exemplo, é o Carnaval de Salvador.

Nunca acreditei muito nisso, mas só depois que comecei a viver o tumulto da festa na Bahia que me dei conta das possibilidades. Esse ano é minha terceira passagem por aqui (aliás, o texto que você lê já é uma produção "baiana" da minha pessoa, dentro do quarto do hotel). Dado um exemplo, nesse ano venho com uma missão diferente das outras, Meu trabalho aqui é fazer relacionamento com parceiros estratégicos de um cliente do setor de revestimentos cerâmicos.

Sei que logo de cara, fica difícil de imaginar como uma empresa que faz pisos e azulejos pode aproveitar o carnaval. Aí que está o pulo do gato. A questão aqui, nesse caso, é dar uma experiência para o cliente para viver algo novo e diferente. O produto está presente - no meu caso, dentro de um camarote muito badalado, o Expresso 2222 -, mas o grande trunfo de marketing é poder levar o cliente para dentro de um dos lugares mais disputados de todo o Brasil.

Esse é um exemplo simples de como pegar pelo coração um consumidor ou cliente. "Uma experiência inédita e única, que só a marca "X" foi capaz de me proporcionar". É esse o lema que Dirce Amaral, uma das melhores estrategistas de marketing do mercado, faz com todo o talento. Há oito anos consecutivos trabalhando com o Expresso 2222, ela já criou ações para marcas com uma relação clara com a festa, como Gatorade e Toddynho, mas também para produtos aparentemente distantes, como Maizena e Veja Multiuso. Tudo sobre esse mote.

Segundo ela, a Bahia é uma grande vitrine, pois reúne mais de 2 milhões de pessoas pelas ruas que estão aptas a receber as mensagens que cada patrocinador ou apoiador tem para dar, basta dourar a pílula para que tudo fique coerente.

Nos outros anos que vim para cá, trabalhei com marcas diferentes, com um trabalho de cobertura e divulgação do que a marca fazia durante a festa. Fizemos um trabalho de redação mesmo, com fotógrafo exclusivo, notas, entrevistas e divulgação on-line para toda a imprensa. Para cada marca houve um trabalho específico, com objetivos diferentes e ações exclusivas. Em ambos os anos só o resultado de mídia espontânea cobriu em mais de 100% o investimento total no Carnaval. Em suma, uma ação para o Carnaval bem estruturada, mesmo que simples, dá resultados certeiros.

Nesse ano, quando começar a cobertura das TVs, tire o olhar dos carros alegóricos e dos trios estrelados e dá uma olhadinha na volta de onde tudo acontece. Repare nas revistas e as roupas que todos os artistas usam. Tudo tem uma pitada de marketing e comunicação.

Para 2009, corra para não perder esse bonde e já comece a bolar algo para o seu cliente para a folia. Tenho certeza que será uma grande oportunidade.


Fonte: Por Eduardo Pugnali, in portalimprensa.uol.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …