Pular para o conteúdo principal

Mobile marketing terá forte evolução

A Yavox é uma das empresas pioneiras em iniciativas de mobile marketing no mercado brasileiro. As expectativas para 2008 são de uma grande evolução no mercado, com oportunidades novas se abrindo com a introdução do 3G. JumpExec entrevista Andreas Blazoudakis, presidente da empresa, que faz uma análise do mercado e o que está para vir nos próximos meses.


JumpExec: Quais as suas expectativas para o mercado de mobile marketing para os próximos meses?
Andreas Blazoudakis: Aqui na Yavox identificamos uma tendência forte de evolução dos formatos utilizados até o momento. As grandes iniciativas no Brasil começaram em 2005 (Se liga no celular da Pepsi), se expandiram em 2006 (Seleção do Faustão da Globo) e Dadada da Pepsi, e se consolidaram em 2007 com a Seja um Campeão Petrobrás e Caçada Premiada da Schin.

Para 2008 estamos encerrando esta fase de campanhas de interatividade única, ou seja, o usuário pega um código ou palavra na embalagem ou mídia e envia, recebendo uma resposta. Notamos que o usuário quer mais relacionamento com a marca, quer realmente fazer parte de uma comunidade. Testamos este novo modelo de comunidade em volta de uma marca em dezembro de 2007, e em 30 dias formamos uma comunidade com 280.000 assinantes, que duas vezes por semana brincam e se divertem com com várias mecânicas como quiz, jogos diversos e até leilões relâmpago.

O mercado ainda busca no integrador campanhas com mecânicas antigas e até um pouco desgastadas, e aos poucos vamos passando ao mercado todas estas novidades em termos de Mobile Marketing.Uma outra vertente do Mobile Marketing que promete crescimento forte em 2008 é a de modelo de negócios onde quem paga a conta é a marca, ou seja, campanhas gratuitas para o usuário. Realizamos diversas campanhas em 2007 neste sentido para marcas de massa como AVON, Mastercard, e alguns bancos, onde o sucesso foi tal que chegamos a reeditar 3 vezes algumas campanhas. Todavia, o que ainda não está bem resolvido neste modelo é a precificação do serviço, onde o modelo é confundido ainda com propaganda no celular, deixando as operadoras um pouco preocupadas, e com razão.

O telefone celular é considerado como um fator de inclusão digital no Brasil, devido ao grande número de usuários existentes no país. De que forma vc acredita que os usuários possam se “incluir” no mundo digital com a utilização do telefone celular?
O Brasil tem uma característica muito peculiar: As pessoas não possuem recursos financeiros mas possuem um celular com câmera. Isto se deve ao fenômeno das lojas populares venderem celulares em até 24 vezes. Em nosso pais, 55% da população ganha menos de R$ 350,00 por mês, e apenas 21% ganha mais de R$ 1.000, mas todos estes querem um celular. Com estas caracteristicas de mercado a inclusão digital só avançará com mobilidade se alguém pagar a conta para estes usuários. Por isto que a TV aberta e a Internet são sucessos no Brasil, por serem gratuitas.

Realizamos pesquisas para entender porque os usuários entram na internet para assinar conteudos no seu celular como horóscopo, dietas, etc… Concluimos que a grande maioria dos usuários não utiliza serviços de pacotes de dados (WAP), pois a percepção de preço do serviço é muito alta. Assim sendo, ao entrar na internet o usuário para sentir-se informado no seu celular, buisca nas mensagens SMS de R$ 0,10 e R$ 0,31, a informação que lhe interessa.

Os primeiros movimentos de marcas querendo pagar o tráfego para o usuário já estão ocorrendo, mas ainda esbarram em algumas indefinições de preço do serviço ou conteúdo patrocinado.

A entrada do 3G vai acrescentar quais características ao mercado de mobile marketing no Brasil?
No curto prazo, pouco muda no comportamento dos usuários, pois é um serviço para nichos, não para as massas. As marcas que souberem explorar nichos de Mercado terão grande sucesso com a exploração de serviços 3G. É importante entender que uma das principais funcionalidades que o 3G traria para nossos usuários seria a TV Móvel, todavia, com a adoção do padrão japonês, a TV Móvel sera aberta e livre, sem passar pelas operadoras de Telecom, não adiantando em nada ter um celular com serviço 3G.

Apesar disto, outra grande funcionalidade que se viabiliza com o 3G é a video-chamada e video-conferência móvel, a qual sera um sucesso nas corporações e para o publico disposto a pagar as taxas iniciais do serviço.

De que forma as campanhas em mobile marketing poderão se interagir com outras mídias, como a TV digital, por exemplo?
Nós estamos realizando os primeiros testes internos na Yavox para a Interatividade na TV digital. Mas a tecnologia provavelmente não será SMS, uma vez que o SMS funciona de forma assíncrona, e a interatividade com TV digital requer a abertura de uma sessão por usuário para que a experiência fique dinânica e intantânea. Ninguem vai querem interagir dando um comando e recebendo o retorno depois de dois minutos. Tem que ser algo tipo o controle remoto através do celular.

O consumidor brasileiro é considerado bastante receptivo a novidades tecnológicas. Você acredita que esta característica pode alavancar ainda mais o mercado de mobile marketing no país?
O sucesso de sermos campeões no Orkut e MSN deve se repetir na mobilidade, alias, já está acontecendo. Finalizamos o ano de 2007 com 21.000.000 de clientes só na rede Yavox. O público está ai, mas faltam empresas para pagarem esta conta e usufruírem da relação com esta enorme comunidade mobile brasileira.


Fonte: jumpexec.uol.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …