Pular para o conteúdo principal

As propostas de regulamentação do SAC

O treinamento dos profissionais que fazem o atendimento ao consumidor foi uma das sugestões apresentadas na semana passada em audiência pública no Ministério da Justiça para discutir a regulamentação dos Serviços de Atendimento ao Consumidor (SAC).

A proposta foi apresentada pelo diretor interino de Qualidade do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), Paulo Conscareli. Segundo ele, esse é um dos três pontos que não podem deixar de ser atacados pela regulamentação.

O segundo ponto é a informação que chega no consumidor, já que há muitas queixas de que as perguntas dos que são feitas ou não têm resposta ou ela chega de forma errada. Em terceiro lugar, ele citou o atendimento eletrônico, que muitas vezes "não leva o consumidor a lugar nenhum", fazendo com que ele desista. “O caminho é o da regulamentação e, complementarmente, o da normalização. Elas têm que caminhar juntas”.

Conscarelli foi um dos participantes do debate, que reuniu na semana passada representantes da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), do Banco Central, e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Essa foi a segunda audiência pública sobre o tema. Ao abrir a reunião, a secretária de Direito Econômico, Mariana Tavares de Araújo, lembrou que o objetivo do encontro é aperfeiçoar o atendimento e falou da possibilidade de haver mais uma audiência.

O chefe de Departamento de Prevenção a Ilícitos Financeiros e de Atendimento de Demandas de Informação do Sistema Financeiro, Ricardo Liao, informou que o Banco Central pretende instalar dois centros de atendimento telefônico, em Recife e em Fortaleza, que se somarão aos três já existentes, em Brasília, Rio de janeiro e São Paulo.

Segundo Liao, os dois novos centros permitirão ao BC aumentar em 50% sua capacidade de atendimento por telefone. Ele revelou que no ano passado o call center (atendimento por telefone) do BC realizou 15 mil atendimentos, de um total de 40 mil reclamações ou solicitações de informações por todos os meios disponíveis (internet, carta e atendimento pessoal).

Para o presidente interino da Anatel, Plínio Aguiar Jr, é importante garantir a disponibilidade do SAC, a obrigatoriedade de fornecimento do número de protocolo, opção de atendimento humano, estabelecimento de tempo máximo de espera, horário de atendimento compatível com o serviço e o tipo de solicitação, estabelecimento do prazo de resolução compatível com o serviço e solicitação, direito de resposta, obrigatoriedade de alternativas de cancelamento de serviço e prazo.

Segundo ele, as maiores reclamações dos usuários são sobre problemas de cobrança e a dificuldade de conseguir falar com um atendente. Outra queixa comum diz respeito ao cancelamento de serviços. Aguiar reconheceu que cancelar um serviço em um minuto "é impossível", mas garantiu que a questão será focalizada e melhorada.

Também participaram da audiência pública, a coordenadora do Núcleo de Defesa do Consumidor, Marcela Oliboni, o secretário-executivo do Procon, Odon Bezerra e o assessor do Instituto Brasileiro de Política e Direito do Consumidor (Brasilcon), Fabrício Lázaro.


Fonte: Agência Brasil
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …