Pular para o conteúdo principal

Blog Corporativo: como usar essa forma de comunicação nas guerras comerciais

A Boeing foi uma das primeiras empresas a colocar no ar um blog corporativo. Até hoje, a página é uma das líderes mundiais de audiência nessa categoria, chegando a registrar até 100 000 leitores por semana. Atual responsável pelo conteúdo do blog da Boeing, o vice-presidente de marketing da companhia, Randy Tinseth, falou a EXAME sobre o tema.

1 - Qual a importância do blog para a Boeing?
Atingimos leitores dos mais diferentes cantos do mundo. É um nível de comunicação muito mais pessoal, eficiente e rápido. Não raro, usamos a página para esclarecer detalhes dos produtos e até desmentir informações da concorrência.

2 - O senhor poderia citar um episódio em que isso já aconteceu?
Em 2006, a Airbus começou a fazer propaganda de um modelo, o A320, dizendo que ele era maior que o 737, o avião da Boeing que concorre nessa faixa de mercado. Em termos de espaço interno, o Airbus tem uma vantagem de apenas 0,5 polegada por assento, algo imperceptível aos passageiros. Fizemos essa ponderação no blog da Boeing e foi um sucesso de audiência entre os internautas.

3 - Quais os ingredientes de um bom blog corporativo?
Para cativar uma boa audiência, ele precisa ter muitas informações. Quanto mais dados e fotos colocados na página, mais interesse o texto atrai. Do ponto de vista da empresa, o blog funciona quando tem efeito de marketing viral, fazendo com que os produtos da companhia sejam comentados em outros sites e nas mídias tradicionais.

4 - Ao longo dos últimos anos, quais ajustes foram feitos pela Boeing no conteúdo da página?
No começo, não permitíamos que os leitores publicassem comentários. Hoje, qualquer um pode expressar ali sua opinião. Calculo que 98% do que recebemos é publicado. Mas confesso que temos um filtro, que barra basicamente palavrões e comentários de mau gosto.

5 - Quais foram os posts mais comentados?
Sempre que publicamos algo a respeito do 787, também conhecido como Dreamliner, é um sucesso de audiência. Os leitores adoram quando mostramos coisas como detalhes da fábrica que está construindo os primeiros modelos.

6 - E quanto às críticas, quais são as mais comuns?
Há um número grande de pessoas que nos culpam pelos maus serviços prestados pelas companhias aéreas. Elas reclamam de tudo: desde o cheiro ruim dos banheiros até a qualidade da comida. O blog é uma chance de explicar ao público que a Boeing não pode ser culpada por isso. Para melhorar o conforto dos passageiros, construímos janelas maiores, diminuímos o barulho do motor. O que ocorre durante as viagens, contudo, é de responsabilidade das companhias.

7 - Que outros blogs corporativos e sites o senhor costuma acessar?
Acompanho principalmente blogs das companhias aéreas e sites do setor de aviação para saber o que está sendo discutido no momento. Também olho sempre o que a concorrência está fazendo. Quando vejo uma boa idéia, imitamos. A Airbus, por exemplo, lançou uma lista dos "dez motivos" que fazem de seu A380 o melhor avião do mundo. Já estamos trabalhando numa idéia semelhante, que será publicada nas próximas semanas.


Fonte: Por Luciene Antunes, in portalexame.abril.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …