Pular para o conteúdo principal

Como lidar com um chefe tirânico

Algumas estatísticas pouco animadoras sobre ambiente de trabalho. Segundo um estudo de 2007 da associação de advogados Employment Law Alliance, 45% dos trabalhadores nos Estados Unidos já foram alvo de ataque de grosseria por parte da chefia. Chefes e supervisores grosseiros, aliás, não são nada raros, e estão distribuídos de forma equânime entre os sexos. Metade dos chefes grossos, tirânicos, autoritários e temperamentais são homens, e metade são mulheres. Os alvos de ataque, contudo, são preponderantemente do sexo feminino: apenas 16% dos alvos são homens. A dura realidade é que 82% dos agredidos freqüentes acabam perdendo o emprego. Para piorar, os "brigões" (termo usado na pesquisa para descrever os tirânicos) acabam subindo na escada corporativa. De acordo com o estudo, 81% deles ocupam posições de gerência.

Não causa estranheza, frente a tanto chumbo grosso, que o tema acabasse se tornando um filão literário. Nos últimos 12 meses, diversos guias de auto-ajuda profissional foram lançados nos Estados Unidos com o intuito de precaver e remediar situações de conflito. Um dos expoentes do mercado é o advogado trabalhista Robert Mueller, autor de Bullying Bosses: A Survivor's Guide ("Chefes briguentos: um guia para o sobrevivente").

Eis um resumo das principais dicas de Mueller (esperando, sinceramente, que você não precise usá-las):

• Evite o confronto. Os confrontos com chefias briguentas quase nunca são produtivos.

• Seja frio e racional. Enfrente o problema como se fosse mais uma tarefa de trabalho. Não deixe que o lado emocional o afete, e lide com a situação de forma metódica. Lembre-se que é a chefia quem tem sérios problemas, e não você.

• Não se isole. Os chefes tirânicos e grosseiros possuem a tendência instintiva de tentar separar o funcionário alvo dos outros colegas. Isso facilita o ataque.

• Não se queixe ao RH. A lealdade do RH é, acima de tudo, com a empresa, e a queixa pode ser vista como potencial ameaça de processo trabalhista.

• Mantenha a auto-estima. Atitude positiva e cuidado com a aparência são fatores que diminuem o risco de você entrar no radar do chefe problemático.

• Busque refúgio. O agressor se constrangerá diante de outros supervisores, de funcionários influentes ou de clientes. Faça uma lista de pessoas, e lugares, com quem e onde você está a salvo.

• Peça licença e saia. Durante a crise, tente sair estrategicamente da zona de conflito. Diga que você tem um compromisso no RH, ou que você vai ao banheiro.

• Distraia. Numa discussão, apanhe da mesa um objeto qualquer (desde que não seja algo ameaçador como um estilete). Uma pasta de arquivos, por exemplo, ou um número de telefone importante. Às vezes, um pequeno gesto é suficiente para conter uma briga.

• Proteja sua vida pessoal. Acredite: informações sobre amigos e família acabarão servindo de munição contra você nas mãos do chefe encrenqueiro.

• Não mostre suas cartas. Se você juntar dados sobre a conduta inapropriada da chefia e construir um caso contra ela, seja discreto. Não comente.


Fonte: Por Álvaro Oppermann, in www.gazetamercantil.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …