Pular para o conteúdo principal

Como uma marca de luxo encontra seu administrador?

A francesa Floriane de Saint Pierre é uma das maiores headhunters para o mercado de luxo do mundo. Seu banco de dados, que contém mais de 40 mil nomes, é disputadíssimo não só entre designers que querem debutar neste nicho, mas também entre executivos do mundo todo que almejam estar à frente de uma grande grife.

Na última semana, Floriane foi uma das participantes do Fashion Marketing, em São Paulo. Promovido pela consultora Glória Kalil, o seminário internacional de moda é voltado para estilo e negócios.

Recrutadora de estilistas e administradores para marcas do porte de Lanvin e Burberry, Floriane diz que não existe fórmula pronta para um gestor brilhar à frente de uma grande marca. "Cada companhia acaba formando sua própria organização criativa", afirma a headhunter. "Branding, hoje, não diz respeito somente a campanhas publicitárias, apesar da importância dessas ações. Quer dizer também criar sonhos. E um executivo tem que estar concentrado para este fim, assim como um diretor da área de criatividade", observa.

A headunter lembra, como exemplo, uma ocasião em que entrou em uma loja em Paris, onde viu um sapatinho de plástico desenhado por Marc Jacobs, que custava € 110. "Disse: ‘meu Deus, por que é tão caro?’ Isso me mostrou como se pode criar um valor aleatório sobre um determinado produto, desde que se tenha um olhar icônico sobre tal", conta Floriane. "Um administrador de uma empresa de luxo precisa, invariavelmente, estar atento a este processo, que costuma ser identificado apenas aos designers das grifes".

Aliás, é passeando por ruas, lojas, restaurantes da moda - não só em reuniões de negócios - que Floriane costuma encontrar talentos, tanto estilistas quanto administradores. "Certa vez, comecei a fazer um curso de italiano, e fui reconhecida por um senhor. Pediu-me um emprego e disse que devia passar em meu escritório. Hoje, tem um ótimo cargo na marca de John Galliano", conta.

A especialista, porém, avisa que a avaliação que faz é subjetiva. "Um candidato deve mostrar, antes de tudo, interesse em se adequar à visão que o cliente tem da marca", explica. "Tem que comprar a idéia da empresa para a qual é candidato. Afinal, uma empresa nada mais é do que um gestor e o produto que tal pessoa, ou um determinado grupo, quer vender."

No caso da indústria da moda, Floriane diz que é essencial que uma empresa avalie dados relativos ao estilo, à sofisticação, à modernidade e ao impacto na mídia que um candidato pode gerar. "Hoje a indústria do luxo tem carência tanto de profissionais especializados em gestão quanto em criação. Nada mais difícil do que encontrar bons administradores".

Segundo ela, as escolas de moda são muito recentes no mundo todo, e os recém-formados provavelmente não apresentam a experiência necessária para se tornarem presidentes do dia para a noite. "Então, faltam hoje bons administradores que tenham uma visão ampla do negócio de uma determinada marca", observa.

A empresa capitaneada por Floriane é líder mundial no segmento. Faz 80 buscas de profissionais por ano, organiza 500 reuniões e cem viagens internacionais. Assim, conseguiu uma lista com dados pessoas de mais de 40 mil profissionais. Por ano, a hedhunter recebe milhares de currículos. "Parte deles vai para o banco de dados, mas acho mais provável encontrar bons profissionais em reuniões ou em ocasiões improváveis", admite.


Fonte: Por Alexandre Staut, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 9
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …