Pular para o conteúdo principal

Empresas brasileiras não estão alinhadas com as novas práticas da comunicação e do marketing

Apenas 10% das empresas brasileiras estão completamente alinhadas com as novas práticas da comunicação e do marketing e podem, efetivamente, ser consideradas “empresas do futuro”. Cerca de 33% delas já adotam parcialmente alguns dos modelos emergentes no novo ambiente da economia digital. Mas quase a metade – 47% - ainda está distante dessas referências de ponta. Essas são algumas das conclusões de uma pesquisa inédita, realizada por iniciativa do Grupo TV1, e que foi apresentada ao mercado na durante o 1.º Encontro Agenda do Futuro.

O estudo buscou mapear o grau de adequação das empresas às novas dimensões–chave da comunicação e do marketing e propõe um índice de inovação, capaz de medir anualmente a evolução do mercado. Conduzido pela Troiano Consultoria de Marca, envolveu 60 grandes empresas brasileiras, de diversos segmentos de mercado, sendo que 77% delas têm mais de 1.000 funcionários. Participaram os principais executivos da gestão de comunicação e marketing. “Trata-se de um trabalho realmente inédito”, afirma Jaime Troiano. “Pela primeira vez no país criou-se uma metodologia clara e objetiva para avaliar a evolução dessas práticas.”

Para aferir o grau de adequação de uma empresa às novas práticas, a pesquisa analisou cinco dimensões consideradas críticas para o novo marketing:

1)Integração - Evolução do modelo tradicional de gestão departamental para o alinhamento estratégico dos processos e programas de comunicação e marketing, nas múltiplas disciplinas, mídias ou plataformas, e no relacionamento com todos os públicos e marcas da empresa.

2) Interatividade - A inversão da lógica da mídia de massa e controle da audiência, com a substituição do modelo de transmissão de mensagens pela comunicação bidirecional, e do marketing push, de interrupção, pelo marketing pull, de acesso. O consumidor passa a influenciar ativamente as estratégias de negócios e a participar da cadeia de valor, como indivíduo, ou por meio de comunidades em rede.

3) Tecnologia - Relevância crescente das mídias e plataformas digitais para os negócios, e dos sistemas de informação, para o marketing, no contexto da fragmentação contínua dos mercados, mídias e audiências.

4) Mensuração - Evolução dos modelos e ferramentas para avaliação do retorno de investimentos, com foco não apenas em resultados, mas na análise contínua de dados para geração de inteligência, ganhos de eficácia e previsibilidade.

5) Branding – Ações de valorização das marcas como ativos estratégicos e econômicos por seu poder de construir relações de preferência mais sólidas com consumidores, expressar atributos intangíveis, influir decisivamente no processo de decisão de compra e gerar diferenciação.


A partir dessas cinco dimensões foi criado um índice – o “Índice da Agenda do Futuro” (IAF) -, para medir o grau de maturidade das empresas em cada um dos aspectos analisados. “A pesquisa revelou que o grau de adequação das diversas dimensões varia significativamente de uma empresa para outra”, revela Selma Santa Cruz, diretora de planejamento do Grupo TV1 e idealizadora do estudo. “Isso sinaliza que há oportunidade para uma rica troca de experiências e aprendizados entre os executivos.”

A pesquisa incluiu ainda algumas questões que avaliam as crenças dos executivos sobre a importância das cinco dimensões (exemplo: “Eu acredito que a dimensão integração é fundamental”) para contrapô-las ao que é praticado efetivamente pelas empresas. O resultado mostrou uma defasagem importante entre as crenças e as práticas. Sugestivamente, as empresas onde as crenças nas novas dimensões estão mais presentes são justamente as alinhadas com o ideal da “empresa do futuro em comunicação e marketing”.


CONCLUSÕES - A análise das respostas dos entrevistados permite chegar a cinco conclusões mais relevantes. São elas:

- Não há uma dimensão da agenda de futuro em que a média das empresas se destaque – ou seja, não existe uma única dimensão em que as empresas no Brasil estejam, na média, claramente mais adiantadas.

- Existe uma grande variação de maturidade entre as empresas nas cinco dimensões avaliadas. Parece existir, então, a oportunidade para uma rica troca de experiências e aprendizados entre essas empresas.

- O IAF (“Índice da Agenda do Futuro”) mostra que atualmente apenas 10% das empresas já podem ser consideradas “empresas do futuro”, ou seja, realizam de forma intensa e integral as práticas relativas às cinco dimensões. Ao se dividir os resultados em quatro patamares, sendo o mais completo deles aquele que engloba as “empresas do futuro”, 80% das empresas pesquisadas estão nos patamares 1 e 2 de avaliação.

- Ainda há uma considerável distância entre as crenças que os executivos pesquisados têm sobre a importância das cinco dimensões e as práticas efetivas de suas empresas nestes quesitos.

- Um ponto relevante é que crenças sobre a importância das dimensões do IAF são mais disseminadas entre as “empresas do futuro”. Isso pode ser uma indicação de que “a discussão da agenda do futuro” é um passo inicial importante e necessário para provocar efetivas mudanças de comportamento.



Fonte: Por Rodrigo Cogo – Gerenciador do Portal Mundo das Relações Públicas
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …