Pular para o conteúdo principal

Empresas melhoram atitude em relação a portadores do HIV

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgou em informe que "a aplicação eficaz de políticas e práticas sobre o HIV/AIDS permitiu uma importante melhoria das atitudes para com os portadores do vírus HIV no ambiente de tabalho, bem como uma maior aceitação do preservativo e outras medidas preventivas".

O informe, denominado "Salvar vidas, proteger empregos", elaborado pelo Programa Internacional de Educação sobre HIV/AIDS no ambiente de trabalho, foi apresentado ao Departamento do Trabalho dos Estados Unidos, parceiro estratégico da OIT no programa SHARE (Respostas estratégicas das Empresas ao HIV/AIDS). O documento resume as atividades do programa que atualmente são realizadas em mais de 650 empresas de 24 países, e que beneficiam cerca de um milhão de trabalhadores.

O estudo registra a mudança de atitudes em relação ao HIV/AIDS e apresenta uma série de boas práticas e dados colhidos em empresas, ministérios do Trabalho, organizações de empregadores e sindicatos que colaboram com a OIT. "O programa SHARE ajuda a proteger os membros da OIT do HIV/AIDS, um problema que desafia a implementação da pauta de trabalho decente", assinalou a doutora Sophia Kisting, diretora do Programa Internacional de Educação sobre HIV/AIDS no lugar de trabalho. "Alguns países oferecem exemplos relevantes de como enfrentar o HIV/AIDS na utilização do lugar de trabalho para a prevenção, cuidado e apoio, e parta combater o estigma e a discriminação".

Nos últimos quatro anos, a OIT coligiu informações de gerentes e trabalhadores em empresas associadas em seis países-pilotos, com o objetivo de medir os efeitos de políticas contra a discriminação e atividades relacionadas ao HIV/AIDS. Em Belize, Benin, Camboja, Gana, Guiana e Togo, os trabalhadores demonstraram uma importante melhoria em suas atitudes em relação às pessoas que vivem com HIV/AIDS.
Em Gana, a porcentagem de trabalhadores que manifestaram uma atitude positiva em relação aos colegas com HIV aumentou de 33% para 63%. Nos seis países investigados, a proporção de trabalhadores que expressaram uma atitude positiva para com colegas que vivem com HIV aumentou de 49% para 63% durante o período de vigência do programa.

As atitudes em relação ao uso do preservativo também melhoraram notavelmente na maioria dos países. No Camboja, a proporção dos trabalhadores que expressaram uma atitude positiva em relação ao uso do preservativo aumentou de 34 para 68%. Nos seis países, a porcentagem de trabalhadores que disseram utilizar preservativos com os parceiros não estáveis aumentou de 74 para 84%.

As mudanças registradas no comportamento podem ser atribuídas, em parte, a um maior acesso a serviços HIV nas empresas dos seis países. Quando, em 2003, começou o programa SHARE somente 14% das empresas associadas haviam estabelecido políticas sobre o HIV. Quando foram realizados os estudos finais, a cifra havia subido até 76%. O informe mostra que as organizações de empregadores e os sindicatos estão utilizando cada vez mais o Repertório de Recomendações Práticas sobre o HIV/AIDS da OIT para desenvolver políticas e práticas nos lugares de trabalho.

Segundo a OIT, o sucesso da elaboração de políticas sobre o HIV/AIDS tem como base fundamental a colaboração entre trabalhadores e empresários. O informe destaca uma série de políticas sobre o HIV/AIDS no plano empresarial e nacional, incluindo casos em que as políticas fazem parte de acordos de negociação coletiva. Em geral, 16 dos 24 países nos quais a SHARE está implementando projetos adotaram uma política nacional tripartite ou uma declaração sobre o HIV e o mundo do trabalho. Considerando que a maioria dos 33,2 milhões de pessoas que vivem com HIV/AIDS no mundo trabalham ou se encontram na época mais produtiva de sua vida, o lugar de trabalho representa um âmbito único na hora de abordar esta problemática.

O lançamento do informe será seguido por uma campanha para ressaltar os padrões de mudança do HIV/AIDS no mundo do trabalho. O estudo será apresentado à comunidade internacional durante o Congresso Internacional sobre a AIDS, que se realizará de 3 a 8 de agosto no México.


Fonte: Por Expansión, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 9
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …