Pular para o conteúdo principal

HP aposta em design e estilo em estratégia

A avaliação da HP é de que o mercado brasileiro de computadores caminha a passos largos para a segmentação. E que, nesse contexto, palavras como estilo e design entram de vez para o dicionário das empresas de tecnologia e influenciam as estratégias de negócios. Assim, nichos de público ganham força nos planos da companhia, especialmente os mais jovens, vistos como formadores de opinião em potencial.

Partindo dessa premissa, a companhia definiu como prioridade investir no lançamento de produtos com design moderno e formatos diferenciados. Dessa maneira, vale notebook que imita chocolate ou tem desenhos mirabolantes e computador de mesa cujo tamanho é um terço menor que o padrão, próprios para recintos pequenos. "Identificamos que o mercado brasileiro está se tornando mais sofisticado. As pessoas continuam querendo máquinas potentes e de boa qualidade, mas a esses atributos soma-se também a busca por equipamentos bonitos e com estilo", afirma Juan Jimenez, vice-presidente da área de computadores pessoais da HP. A empresa não revela dados de investimento ou de faturamento. O Brasil vendeu 10, 7 milhões de computadores em 2007, dos quais 14,5 % referem-se a notebooks, segundo o IDC.

Segundo o executivo, a parceria com a Intel, que fornece os processadores dos equipamentos, é importante pois permite fazer máquinas cada vez menores, dando assim mais liberdade para a criação de design inovadores. Elber Mazaro, diretor de marketing da Intel, reforça. "Anos atrás, computador era tudo igual: mesma tecnologia, mesmas cores. Hoje, há demanda por personalização", diz Mazaro.

Um dos produtos que melhor ilustram esse posicionamento é um notebook conhecido dentro da HP como "Artist Edition". Trata-se de um aparelho cujo acabamento é um desenho todo moderno, escolhido a partir de concurso feito em parceria com a MTV. O alvo desse lançamento são os jovens com cerca de 20 anos.

Outro exemplo vem da linha Pavillon, com o modelo dv 2760BR, lançado há algumas semanas. A máquina tem o acabamento na cor de chocolate. Além da beleza, houve também a busca por oferecer uma configuração capaz de assegurar um bom desempenho, algo que continua a ser valorizado pelo consumidor desse segmento. Com memória de 2GB e bluetooth, o produto possui disco rígido de 160 GB. Como o preço de mercado indica - R$ 3799 -, trata-se de um item voltado preferencialmente a consumidores das classes A e B. "Esse equipamento busca os consumidores jovens adultos, na casa dos 25 a 30 anos e que possuem bom poder aquisitivo", afirma Jimenez.

Também lançado agora no Brasil pela HP, o computador de mesa Pavillon Elite M9160br, por sua vez, está disponível na rede varejista de todo o País e tem como diferencial, segundo a HP, o fato de funcionar como uma espécie de central digital, capaz de reunir as funções de PC e também TV, gravador de programas televisivos, DVD e rádio FM. Além disso, possui a tecnologia Blue-ray, um formato de disco óptico da nova geração para vídeo de alta definição.

Outra novidade é o computador cujo tamanho é um terço menor que os equipamentos convencionais. Trata-se do modelo Slimline, também da Pavillon, que vem com acabamento na cor preta. Apesar das pequenas dimensões - 10,5 cm x 27,5 cm -, alcança o mesmo desempenho que os computadores convencionais, segundo a HP. O preço sugerido de R$ 1599.


Fonte: Por Clayton Melo, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 4
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …