Pular para o conteúdo principal

Improdutividade custa US$ 658 bi no exterior

As empresas operem com 85% da capacidade de produção de seus funcionários, concluiu um estudo da consultoria global Proudfoot Consulting. Com isso, a perda econômica aos países varia de US$ 11 bilhões a US$ 658 bilhões, para um período de dois anos (no caso, 2005 e 2006), informou o site InfoMoney.

Em seis dos países que participaram da pesquisa (Austrália, França, Alemanha, Portugal, Estados Unidos e Reino Unido), a média de tempo perdido pelos colaboradores é de 18%, levando-se em conta a quantidade oficial de horas trabalhadas em cada uma dessas nações.

O número de horas perdidas por ano varia de 26, na Alemanha, a 47, em Portugal, onde um quinto de todo o tempo de trabalho é desperdiçado, segundo uma pesquisa de negócios conduzida no país. Níveis parecidos de tempo desperdiçado foram registrados nas empresas do Reino Unido e da Austrália.

Quanto ao custo financeiro da improdutividade, a perda em Portugal é a menor, de US$ 11 bilhões (para o período 2005-2006). Por sua vez, os Estados Unidos contabilizam um prejuízo de US$ 658 bilhões, na mesma base de comparação.

Motores da produtividade
Na pesquisa, os participantes tiveram que selecionar 14 ações que eles acreditam que poderia ampliar a produtividade da empresa. As duas mais votadas foram: investimento nas habilidades dos colaboradores, por meio de desenvolvimento e treino, com 18% dos votos; e investimento nas habilidades dos gerentes, com 15%.

Em terceiro lugar, ficaram melhor uso da tecnologia da informação (13%) e mais flexibilidade nas leis trabalhistas que possibilite contratar e demitir mais facilmente (13%). São também ações: execução consistente da estratégia pela alta gerência (9%); aumento dos gastos com tecnologia da ICT (Information Communication Technology), com 6%; adoção de uma metodologia, como Six Sigma e Kaizan (5%); aumento dos gastos com maquinário (5%); contratação de serviços terceirizados para atividades meio, e nunca atividades fins, (4%); redução em outros custos de produção, excluindo gastos com funcionários (4%); novos concorrentes entrando no mercado (3%); redução nos gastos com funcionários (2%); terceirização combinada com realocação de processos de negócio de um país para outro (2%); e realocação de processos de negócio de um país para outro (1%).

Pesquisa
Cerca de 500 executivos de empresas de 11 setores diferentes, e de 15 países, participaram do levantamento. O estudo foi feito por meio de internet e contato telefônico, sendo gerenciado pela empresa especializada em pesquisas de mercado European Marketing Specialists em junho e julho de 2007. Em sua maioria, as organizações participantes tinham mil colaboradores ou mais.


Fonte: empresas.globo.com/empresasenegocios
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …