Pular para o conteúdo principal

Jornal-laboratório ou house-organ?

A legislação que rege os cursos de Jornalismo explicita que toda universidade/faculdade que oferece um curso de Jornalismo deve dispor de um veículo (comumente designado de jornal-laboratório) onde os futuros profissionais de imprensa possam, na prática, aplicar os conhecimentos adquiridos e experimentar novas propostas.

Infelizmente, muitas instituições de ensino (e muitas chefias que dirigem os cursos de Jornalismo) parecem não ter entendido o "espírito da coisa" ou, por cumplicidade / má fé, resolveram transformar o jornal-laboratório num verdadeiro "frankstein pedagógico". Na verdade, têm transformado este veículo, fundamental para a formação do jornalista, num house-organ, um jornal a serviço da faculdade, quase sempre caracterizado pelo tom institucional, propagandístico, reduzido a um canal de promoção de reitores, chefes de gabinete, chefes de departamento, diretores de unidades e outras autoridades vaidosas do ensino, da pesquisa e da extensão.

Buscando ostensivamente burlar a legislação, aproveitam de mão-de-obra gratuita para "perpetrar" um veículo que nada tem a ver com laboratório, na medida em que se vale de uma fórmula surrada, pouco criativa e que ainda agrega outros atributos condenáveis para a formação de um jornalista, como a censura e a auto-censura. Na verdade, elas, muitas vezes estão disfarçadas, mas são reais, na medida em que a direção mantém o controle sobre a pauta, as fontes, o sistema de produção jornalística enfim.

As universidades, cursos e chefes de departamento que assumem este jornal-laboratório de fachada incorporam (e põem em prática) uma perspectiva de ensino que confunde educação com adestramento e cujo objetivo não é permitir o debate, o diálogo, a experimentação, mas a repetição de formas e fórmulas que engessam a criatividade, desestimulam a participação e contribuem para a burocratização do processo de produção jornalística.

Este equívoco precisa ser combatido, denunciado porque o jornal-laboratório não se resume a um espaço para ensino de técnicas, mas para um fórum permanente, um processo rico em que prevalecem a inquietude, a investigação, o espírito crítico, a disposição para "enxergar além da notícia".

Os jornais-laboratórios que têm a cara de chefias e reitores (e seus pelegos dispersos pela instituição) não contribuem em nada para a formação de jornalistas críticos, mas legitimam uma visão nefasta (que o Maluf não nos leia!) do ensino de jornalismo, que repete "leads", que confunde reportagem com "releases" e que tem como proposta (equivocada) eliminar as tensões inerentes à praxis jornalística.

É preocupante perceber como alunos de jornalismo (muitas vezes agrupados em classes com dezenas ou uma centena de pessoas) têm, passivamente, aderido a esta situação, quase sempre a eles apresentada como representativa da realidade profissional que aí está.

Não é razoável tolerar este cinismo e essa hipocrisia profissional. O jornal-laboratório é, por conceito, um espaço para experimentação, para ousadias, para novas propostas que devem ser colocadas além do mercado e não refém daquilo que aí está. Ao propor o jornal-laboratório como house-organ, as universidades e os cursos de jornalismo estão abrindo mão da capacidade de investigação, violentando o processo essencial da apuração dos fatos, e reduzindo o "ethos jornalístico" à badalação de pessoas e autoridades que detêm poder na instituição. São elas que definem as pautas, empurrando-as goela abaixo dos futuros profissionais que podem, a partir desta experiência nociva, imaginar que o jornalismo se pratica em ambientes refrigerados, onde predominam a harmonia, os "tapinhas nas costas", as fontes sempre disponíveis e a ausência de questionamentos.

Os alunos de jornalismo, e também os professores de jornalismo (muitos são cúmplices desta farsa pedagógica), precisam reagir imediatamente a esse processo que tem contribuído para a formação de profissionais-adesistas, de jornalistas de gabinete, freqüentadores ruidosos de coletivas e entusiastas das viagens "a convite de".

Nada, nada mesmo contra os house-organs, pelo menos os house-organs de verdade (a maioria dos que são editados pelas organizações não passa de "folders" mal elaborados) que cumprem um papel fundamental no Jornalismo e na Comunicação Empresarial.

O jornalismo não é atividade para ser exercida por jovens de cabeça baixa, sem auto-estima, que apenas cumprem pautas, de profissionais que não têm voz e opinião. É um espaço para debates acalorados, para tensões que refletem os interesses em jogo e que espelham, inclusive, o esforço individual e coletivo de servir à sociedade.

Abaixo o jornal-laboratório de fachada, este "jabá" pedagógico-institucional que está grassando nas universidades e cursos de jornalismo. Está na hora de dar um basta a essa violência contra o mercado profissional.

Não devemos formar jornalistas para beijar a mão de empresas transgênicas, verdadeiras monoculturas da mente, que estão mais preocupadas com o inseticida , com o glifosato que intoxica, do que com a semente que cultiva a diversidade. Convenhamos: a indústria tabagista, a indústria agroquímica , a da saúde, a de armas ou de biotecnologia e outras menos votadas devem adorar estes jornalistas-fantoches que não têm espinha e cérebro e se curvam a qualquer coisa. A Philip Morris continua patrocinando cursos de formação de "focas" promovidos pelos nossos jornalões, o que evidencia a relação promíscua (negócio é negócio, devem justificar os nossos empresários da comunicação) entre veículos e empresas que comercializam drogas (ainda que lícitas).

O jornal-laboratório de que precisamos não deve estar sob a tutela de reitores ou de diretores de unidades, muito menos de chefias de departamentos que não têm compromisso com a cidadania, com a educação para a liberdade.

Os alunos conscientes devem se rebelar contra este modelo que lhes têm sido imposto. Existe vida além da Monsanto (cuidado, round-up não é remédio e nem mata fome coisa alguma), da Souza Cruz (ela lucra e você leva fumo!), da Cataguazes (eta empresa ruim para construir barragens!), dos laboratórios que continuam recolhendo produtos perigosos, amplamente alardeados por uma propaganda milionária ( o FDA deixa passar qualquer coisa, não é mesmo?). Não se fie em quem esmaga o seu dedo (Fox é raposa ou estou enganado?) ou em quem chama plantação de eucalipto de floresta (que só tem valor quando derrubada!). Cuidado com as construtoras que destroem (buraco pra lá, fura-fila pra cá!), com as empresas áreas que voam com o reverso pinado e andam plantando perfis no Orkut para limpar a imagem desgastada!. Suspeite de universidades que andam proclamando sua responsabilidade social e fecham turmas a torto e direito ou reduzem vagas por ordem do MEC por causa da má qualidade do ensino.

O jornal-laboratório precisa incorporar estas pautas imediatamente. Comece a questionar, se for aluno de jornalismo, aquelas que os professores depositam no seu colo e que, muitas vezes, apenas servem para agradar a reitoria, para manter o status-quo ou até para fazer média com os clientes que os remuneram em suas agências/assessorias fora dos muros da universidade.

O bom profissional de imprensa aprende logo duas coisas que me têm acompanhado (e me sido útil) por toda a vida: 1) quem abaixa a cabeça e curva a espinha, deixa exposto o traseiro; 2) quem poupa o lobo, coloca em risco a ovelha.

Jornal-laboratório não é sinônimo de house-organ mal feito. Quem prefere o ar condicionado da sala, a maciez do sofá, a voz melosa das fontes, a pauta fácil, deveria buscar outra praia. O jornalismo é para aqueles que têm tutano, cérebro ativo e não têm receio de experimentar. Diga isso para o seu professor e para o reitor da sua universidade. Se for para fazer propaganda da instituição, cobre caro. Como a gente costuma repetir, "não tem almoço grátis".

Em tempo: parabéns e agradecimentos ao Mário Luiz Policeno Filho que, no último dia 7 de abril, no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da UMESP, defendeu com brilhantismo a sua dissertação intitulada Jornal laboratório ou house-organ? Ele me inspirou o tema desta coluna. Que bom, já somos dois nesta cruzada!



Fonte: Por Wilson da Costa Bueno, in portalimprensa.uol.com.br
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …