Pular para o conteúdo principal

Mais do que um amigo interesseiro

Historicamente, quando a economia dos Estados Unidos tem um pequeno problema, o restante do mundo desperta e fica apreensivo. Cada vez mais, a palavra "recessão" tem se tornado um termo da retórica dos sábios. Mas, será que isso realmente é verdade? E, se for, como afetará a produção em uma escala global?

De qualquer maneira, estamos em uma recessão emocional, que é o resultado direto das farsas dos mercados imobiliário e bancário. O aumento das hipotecas - relacionadas a pessoas que jamais deveriam ter sido qualificadas para empréstimos - está impulsionando a discussão sobre a recessão, mas o setor imobiliário é apenas uma área de negócios entre muitas. A maioria dos setores está passando por um crescimento realmente robusto, apesar de tudo o que se diz ao contrário. Mas, isso não significa que você deve ignorar os sinais de alerta.

Em vez disso, use esse tempo para analisar bem os seus negócios. Concentre-se no que você faz de melhor. Continue aprimorando os seus produtos e serviços por meio da implantação de uma política e suas iniciativas de lean. Lembre-se de que a jornada do lean tem como base colocar a criatividade à frente do capital. Você pode continuar fazendo melhorias sem gastar dinheiro - melhorias que resultarão em uma economia ainda maior e que criarão o tipo de agilidade que pode colocar você em uma melhor posição competitiva, não importa o que aconteça.

Ao lidar com flutuações do mercado e estresse econômico que podem afetar os seus negócios, observe com maior atenção as características das empresas que utilizam o lean e que transformaram com sucesso seus negócios, com uma vantagem competitiva em qualquer ambiente:

Concentre-se no que você pode controlar. Elimine o desperdício de suas operações. Incentive os seus clientes a comprarem de você porque o seu prazo é menor, sua qualidade é melhor e o valor que você proporciona é maior. Aproveite os ganhos para crescer. Todas as vezes que você elimina etapas que não agregam valor e, desta forma, reduz o desperdício em seus processos, é possível aumentar a capacidade, melhorar a produtividade e cortar custos de capital.

Crie uma visão atual e atraente do futuro. Comunique e compartilhe a visão com todos da organização e esclareça as funções de todos. Desenvolva um roteiro que todos possam seguir para alcançar esta visão. A comunicação elimina a especulação e permite que todos se concentrem em trabalhar juntos para melhorar os negócios. Ouça os seus clientes. Consulte-os para saber o que eles realmente querem por meio de discussão e observação, de modo que você possa desenvolver continuamente soluções inovadoras para os seus problemas.

E, o mais importante: não permita que os sábios forcem você a tomar decisões precipitadas, como a redução de pessoal. Se for preciso fazer alterações na mão-de-obra, considere um novo treinamento. Se você tiver experiência em organizações que utilizam a metodologia lean ou se for um iniciante nessa jornada, lembre-se de que o seu capital humano é o seu único recurso precioso. Aproveite os períodos mais tranqüilos para preparar o seu pessoal para a próxima guinada, que a história mostra que virá inevitavelmente.

O investimento contínuo em sua mão-de-obra é um bom senso comercial, pois sem uma equipe treinada, capacitada e motivada, você não faz negócios. Ao contrário daqueles que podem realizar reduções, você não terá incômodos casuais de contratação e treinamento, nem os conseqüentes problemas de qualidade.

Sua jornada com o lean é de longo prazo. O aprimoramento contínuo é um modo de vida. Você nunca deve ver o lean como um meio de redução de custos. Trata-se de uma metodologia que promove o crescimento e funciona até mesmo durante períodos mais tranqüilos, se você adotar totalmente os seus princípios. O lean atua como aliado nos bons e nos maus tempos.


Fonte: Por Anand Sharma - Presidente e CEO do TBM Consulting Group, in adnews.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …