Pular para o conteúdo principal

Marketing nada tradicional de Obama

Não é apenas no cenário político que a campanha de Barack Obama para a candidatura democrata à eleição presidencial norte-americana está chamando a atenção. Ela tem colhido fartos elogios entre designers e profissionais de marketing. "Obama é o primeiro candidato presidencial a ser vendido como um produto de ponta", disse o designer gráfico Michael Bierut, ao comparar a "marca Obama" a nomes conhecidos como Target e Apple - empresas percebidas nos Estados Unidos como transparentes, abertas e amigáveis.

O trabalho dos correligionários de Barack Obama também é diferenciado, como notou o estrategista político Joe Erwin num artigo para a revista Advertising Age. Na primária da Carolina do Sul, Erwin mostrou-se impressionado com o grau de organização da equipe: "Em 30 anos acompanhando campanhas no estado, nunca tinha visto algo assim". A organização pode ser detectada no processo de contribuições a Obama pela internet. Uma amiga de Erwin (não filiada ao partido democrata), fez uma doação de US$ 50 por meio do site do candidato. Em menos de dois minutos, um assessor mandou um e-mail de agradecimento, dando-lhe a notícia que um contribuinte de Ohio tinha acabado de equiparar a doação, com um cheque no mesmo valor. Dois minutos mais tarde, novamente um e-mail da campanha, comunicando que outra doação de US$ 50 tinha sido realizada por um outro contribuinte. Desta vez, a assessoria perguntava se ela não gostaria de equiparar a nova doação, e se o seu endereço eletrônico poderia ser compartilhado com o contribuinte, para agradecimentos. "Isso não é publicidade tradicional. Essa dinâmica é própria das redes de relacionamento", diz Erwin.

O casamento de política e marketing não é, obviamente, novidade. John F. Kennedy em 1960, Richard Nixon em 1968 e Ronald Reagan em 1980 tornaram-se casos clássicos de marketing eleitoral. Porém, de acordo com Bierut, o segredo do sucesso de branding, que desembocou numa "Obamania" nos Estados Unidos, pode ser explicado em grande parte pela consistência e unidade de comunicação, algo que abarca desde a postura do candidato e seu discurso, até o seu logotipo, os cartazes e o web design da campanha. No site, nos outdoors, em cartazes, cartas e e-mails de Obama, é utilizada uma única fonte tipográfica, chamada gotham, criada originalmente para a elegante revista GQ. "Esse grau de controle da campanha não tem precedente nos Estados Unidos", diz Bierut. "É comum, aqui e ali, alguém esquecer a disciplina e usar uma arial [outra fonte tipográfica]". Ele faz a ressalva, porém, de que tal estratégia traz um risco: o da percepção do eleitor democrata de que Barack Obama tem mais "estilo do que substância". Se isso vai acontecer ou não, o tempo dirá.

Branding – No jargão do marketing, refere-se às ações de propaganda, design e relações públicas que visam construir e diferenciar uma marca em relação às concorrentes. O branding emprega diversas mídias para atingir o consumidor.


Fonte: Por Álvaro Oppermann, in epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …