Pular para o conteúdo principal

O melhor dos mundos

Imagine que sua loja favorita funcionasse 24 horas por dia e fosse permanentemente suprida com produtos de seu interesse. Quando você a visitasse (em qualquer data e horário que escolhesse), a loja nunca estaria cheia de gente, porém os vendedores somente o abordariam caso você desejasse e teriam sempre alguma boa novidade ou oferta para mostrar. Não seria uma experiência perfeita?

Pois essa “loja dos sonhos” – tão difícil de encontrar nos shoppings e nas ruas! – é a realidade das empresas e consumidores que fazem bom uso das ferramentas de email marketing. Mais do que simplesmente um instrumento para alavancar vendas ou aumentar o número de acessos em um site, o email marketing é uma estratégia de atendimento e relacionamento online, capaz de captar os interesses de cada cliente e atendê-lo exatamente da forma como ele deseja.

A utilização do email marketing para oferecer produtos e serviços –e também para fazer campanhas de fidelização, promoção de eventos e comunicados– traz muitas vantagens. A principal delas, claro, é a interação – o cliente opta efetivamente por receber a mensagem e ter acesso ao conteúdo dela. Além disso, é possível segmentar e personalizar o conteúdo de acordo com o sexo, faixa etária e demais características de cada consumidor. Por fim, a possibilidade de acompanhar o retorno das ações permite conhecer mais o perfil de cada cliente, entender melhor suas necessidades e antecipar seus desejos. Tudo isso com muita precisão e sem qualquer tipo de “achismo”.

O email marketing permite às empresas entender muito bem sua base de clientes. Você leva as pessoas à sua loja e mostra o que elas querem, quando elas querem e até mesmo antecipa seus desejos. E sem as inconveniências típicas dos estabelecimentos do mundo “offline”: filas, horário de funcionamento limitado, longas esperas e vendedores inconvenientes. Não é o melhor dos mundos? Assim, além de conquistar novos clientes, você fideliza e mantém as bases organizadas.

Entretanto, no Brasil, o email marketing tem alguns obstáculos pela frente. O maior deles é o desconhecimento. Muita gente ainda entende de forma equivocada esta ferramenta tão importante. É preciso fazer um esclarecimento: email marketing não é mera propaganda, email marketing é estratégia. Não basta simplesmente “transplantar” o anúncio impresso para a internet e achar que o trabalho está feito. Quando isso acontece, desvirtua-se todo o conceito de email marketing.

Outro problema comum é confundir quantidade com qualidade. O objetivo de uma mensagem de email marketing não é atender às massas, mas sim às necessidades individuais dos destinatários. Não adianta mandar o email para quem não quer receber. A pessoa vai repudiar a iniciativa e falar mal da marca. A mensagem pode até ter como objetivo atingir um milhão de pessoas, mas precisa estar adequada às características de cada uma delas.

No entanto, embora tenhamos ainda um longo caminho a percorrer, o mercado começa a conhecer melhor a utilização do email marketing, uma ferramenta cada vez mais necessária para sobreviver no mundo dos negócios. Atualmente, a Internet é uma mídia fundamental para os negócios de qualquer empresa. Apenas no Brasil, são cerca de 44,9 milhões de usuários, segundo o Comitê Gestor de Internet; nos Estados Unidos e na China o número já ultrapassa 200 milhões, segundo dados do China Internet Network Information Center. Entender e saber se relacionar com este contingente de pessoas é indispensável para obter destaque na profusão de sites que surgem a cada dia. E, para isso, as mensagens que falam diretamente com cada consumidor são, definitivamente, a melhor opção, pois permitem saber o que ele deseja ou necessita e literalmente levam-no para dentro do seu negócio.


Fonte: Por Walter Sabini Junior - CEO da Virid Interatividade Digital, in Newsletter Virtual Target - abril/2008
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …