Pular para o conteúdo principal

O vendedor não é mais aquele

Vou confessar. De vez em quando, me pego pensando no que faria para ganhar a vida se fosse obrigado a fechar minhas empresas e a encerrar minha carreira de consultor. Com certeza, partiria para a área de vendas.

Trata-se de uma área na qual dificilmente vai faltar trabalho para quem for medianamente bom. Afinal, todo e qualquer negócio precisa de vendas. Até mesmo aquelas entidades sem fins lucrativos precisam de alguém que as ajude a "vender" seus projetos e captar patrocínios e apoios.

Nas empresas, então, nem se fala. Num mundo de clientes cada vez mais bem-informados e exigentes e de competição cada vez mais intensa e feroz, as atividades relacionadas a vendas e à gestão de vendas vão se tornando um tema estratégico. Digno de ser discutido - e decidido - pelo CEO e até mesmo pelo "board".

Afinal, muitas empresas já não têm como cortar custos. Deram fim a toda a gordura e estão "no osso". E percebem que o único jeito de gerar lucros é trazer mais e melhores clientes para dentro de casa. Para isso, contam com seus vendedores e representantes comerciais. Uma boa parte delas, porém, por pura miopia, mantém uma visão dos mesmos e de suas responsabilidades que não está de acordo com a realidade atual. Insistem em tratá-los como tiradores de pedidos ou, no máximo, empurradores de produtos.

Algumas, bem-intencionadas, bem que oferecem capacitação em vendas consultivas e o diabo a quatro. O que é melhor do que aqueles cursinhos de técnicas de vendas genéricos, que, salvo raras e honrosas exceções, tratam categorias de produtos e serviços completamente diferentes como farinha do mesmo saco, sugerindo que o cidadão que precisa vender, digamos, serviços de consultoria, utilize as mesmas técnicas que dão resultado para vender sapatos ou livros. É melhor, mas não basta.

As empresas e seus vendedores e representantes, especialmente os que atuam no mercado B2B - ou seja: vendem seus produtos ou serviços para outras empresas, e não para pessoas físicas – precisam ir muito além. É fundamental que entendam o negócio, os anseios e as necessidades (reais ou percebidas) de seus clientes. E procurem meios concretos de ajudá-los. Não podem se limitar ao "sell-in" (a venda para o cliente). Precisam orientar e apoiar cada cliente no "sell-out" (a venda deste para o consumidor final). Infelizmente, a maioria das empresas ainda não se deu conta disso.

Se tivesse que mudar de vida, é quase certo que me tornaria um vendedor no mercado B2B. Poderia ser como empregado, ou, mais provavelmente, como "frila", mas um vendedor. Tomaria um cuidado: procuraria trabalhar só para empresas dispostas a me tratar como alguém capaz de fazer uma diferença na vida do cliente, não um mero tirador de pedidos.

Aliás, quando é que as empresas vão perceber que podem ocupar mais mercado e gerar mais resultados sustentáveis sendo aliadas de seus clientes pessoas jurídicas e praticando ações concretas que os ajudem a se transformar em empresas melhores, bem-geridas e mais eficientes?


Fonte: Por Marcelo Cherto, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 9
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …