Pular para o conteúdo principal

Presidentes pagam alto preço pelo poder

Tudo na vida tem o seu preço. Inclusive ser o principal de uma grande companhia. Esta é a conclusão da pesquisa "Contexto dos Presidentes", realizada pelo Centro de Tecnologia Empresarial (CTE), da Fundação Dom Cabral (FDC), junto aos líderes de 40 empresas, que compõem o grupo das 500 maiores e melhores do País.

O estudo apontou que a chegada e a permanência no topo da empresa trouxe aos executivos várias conseqüências negativas. Em um questionário de múltipla escolha, os principais fatores apontados pelos pesquisados foram o sedentarismo (70%), o adiamento de realizações pessoais (54%), problemas no relacionamento familiar e comprometimento da saúde (ambos com 39%), além de distúrbios do sono (23%) e instabilidade emocional (23%).

Conforme o levantamento, embora sintam-se orgulhosos de ter atingido o posto máximo em suas corporações, quatro em cada cinco executivos (80% do total) admitem ter uma enorme frustração pelo adiamento de projetos e sonhos no campo pessoal. "As pessoas, para atuarem no mundo corporativo, precisam de alguma maneira fazer escolhas. E qualquer escolha que a gente faça na vida, envolve renúncias", explica a professora da FDC e diretora-executiva da consultoria Lens & Minarelli, Mariá Giuliese, uma das responsáveis pela pesquisa.

Segundo ela, tais renúncias são ainda maiores para os executivos que buscam chegar à presidência de uma companhia. "Para poder atingir os objetivos, as metas e o sucesso e ainda manter o poder, eles têm de abrir mão de coisas preciosas para eles", afirma Mariá. "Mas esse ato de abrir mão não é consciente para eles ou, em outros casos, eles acham que a relação custo/benefício vale a pena e só vão perceber mais tarde o que perderam. Só que aí não dá para voltar atrás", comenta.

O homem por trás do gestor
Junto com o rastreamento e mapeamento das práticas adotadas pelos presidentes na condução dos negócios, o levantamento também focou aspectos do indivíduo, tais como crenças, valores e modo de agir no que tange a trabalho, carreira, família, participação na sociedade e visão de mundo. Além da aplicação de um questionário, também foram realizadas entrevistas pessoais com os profissionais consultados.

Como complemento, os pesquisadores ainda observaram a exposição e os depoimentos dos executivos na mídia impressa. "Pudemos perceber que, no questionário e no início das entrevistas pessoais, a postura adotada foi a de fornecer respostas ideais, em consonância com as principais linhas teóricas de gestão de negócios e de pessoas e, sobretudo, compatíveis com os preceitos do mercado e das organizações que esses executivos dirigem", informa Mariá Giuliese.

Por outro lado, segundo ela, no decorrer do estudo, foi possível obter uma imagem mais clara do universo dos pesquisados. "Aprofundando o contato, trouxemos à tona o ser humano que fica encoberto pelo personagem que é assumido em função do cargo, verificando que há um importante nível de sofrimento e frustração pelo sistemático adiamento de projetos e sonhos pessoais, sempre postergados em prol das demandas do mundo corporativo."

No universo consultado, a predominância é de profissionais na faixa dos 51 aos 60 anos (56%). Outros 41% têm entre 41 e 50 anos. Os presidentes que têm menos de 40 anos significam apenas 3% do total. Conforme a pesquisa, a maioria dos executivos já atuou em, no mínimo, quatro empresas, com mais de oito anos na função de principal gestor. Além disso, características como pós-graduação latu sensu, experiência internacional e inglês fluente estão presentes entre os consultados - 77% deles também se comunicam em espanhol.

Da infância pobre ao ápice
Três em cada cinco presidentes (60%) afirmaram que o sucesso, o poder e o status foram as razões determinantes para que perseguissem o cargo de primeiro mandatário. Outros 60% apontaram a infância limitada por dificuldades econômicas como fator de estímulo para a busca de prestígio e ascensão social e profissional.

Na opinião de Mariá Giuliese, os presidentes estão cada vez mais solitários e isolados em seus universos. "O medo de serem excluídos, destituídos do cargo que ocupam e de perderem o poder e a visibilidade que adquiriram funciona como fator de pressão e opressão para que evitem, a qualquer custo, se opor ao establishment", avalia.

O professor Léo Bruno, também responsável pela pesquisa, cita a interface com os altos escalões como outra grande fonte de estresse para os presidentes. Segundo o estudo, buscando não se comprometer e evitar o risco de ser destituído do cargo, o principal executivo da companhia comparece ao Conselho Administrativo mais com o objetivo de dar satisfações do que para compartilhar problemas e eventualmente pedir ajuda.

Outro fator de desgaste para os mandatários é a própria globalização, que interfere na sua privacidade, exigindo, por exemplo, que os canais de comunicação permaneçam abertos a qualquer hora do dia ou da noite - em função do fuso horário. Com isso, o profissional acaba levando os negócios para dentro de sua casa, o que interfere nas relações e nas rotinas familiares. "A globalização diminuiu o poder que esses executivos detinham, e esse esvaziamento contribui para o sentimento de frustração", finaliza Mariá Giuliese.


Fonte: Por Marcelo Monteiro, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 9
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …