Pular para o conteúdo principal

A realidade é mesmo uma grande aliada

Qual o tempo médio para que um executivo se recoloque no mercado de trabalho? A pergunta, recorrente entre aqueles que iniciam o processo de outplacement, não admite outra resposta senão um sonoro "depende". Vários são os fatores que influenciam tal prazo, porém um se destaca: a miopia que por vezes embaça a visão do mundo ao redor. O quadro se agrava sempre que o indivíduo fica refém de certos pressupostos ou de posições arraigadas e até inflexíveis. É uma atitude que impede o profissional de fazer da acurada interpretação da realidade uma aliada para a busca de novas possibilidades de trabalho e renda.

Ainda que as grandes corporações sejam responsáveis por apenas 20% da absorção da mão-de-obra, nove entre dez executivos sonham em se recolocar em uma renomada multinacional, concentrando todos os esforços e energia na empreitada. Isso ocorre mesmo com aqueles que, em função da fase de carreira ou da idade, estão longe de corresponder ao perfil priorizado por essas empresas. A nítida preferência pelos mais jovens, uma geração que chega com melhor preparo em termos de especializações e idiomas, parece ser um dado ignorado por quem não consegue enxergar as perspectivas existentes fora do glamouroso universo das "Melhores e Maiores".

Acredite: a massa das ofertas está mesmo nas médias, pequenas e microempresas, nicho que responde por 80% das vagas. Embora não tão conhecidas e talvez sem o mesmo "charme" das grandes organizações, essas companhias têm a oferecer exatamente o que o executivo em transição de carreira mais precisa: trabalho e remuneração. Libertar-se do peso exercido pelo sobrenome corporativo das estrelas do mercado, analisando as alternativas sem preconceito, pode descortinar um horizonte muito interessante de atuação e também de realização, especialmente para os mais seniores.

Empresas desse grupo são surpreendentes. Geralmente, os donos estão próximos, o que as diferencia enormemente daquelas em que os acionistas são anônimos. O poder de influir e a condição de efetivar projetos se ampliam, pois há mais proximidade do centro decisório. Cabelos brancos não são vistos como empecilho, mas sim valorizados pela capacidade de contribuir para o crescimento da organização. O jogo político tende a ser menos acentuado, e os processos seletivos, mais humanizados.

A experiência nessas estruturas menores se torna particularmente proveitosa para aqueles que planejam vôo solo no futuro, à frente de um negócio próprio. Além do recurso de conhecer com mais abrangência e propriedade os mecanismos de funcionamento de uma empresa, há o desenvolvimento de habilidades e competências como a multifuncionalidade, o que enriquece a bagagem profissional.

Por mais craque que seja, nenhum atleta permanece indefinidamente na seleção mundial. Faz parte da gestão da carreira a preparação para as novas fases, contemplando oportunidades interessantes em outras dimensões que não apenas a das grandes multinacionais. Não é preciso esperar o fim do contrato de trabalho para, só então, vislumbrar o mundo que existe além das maiores e melhores. A internet permite conhecer o que há de novo, acompanhar tendências e apurar o olhar para os nichos que podem ganhar importância nos próximos anos.

Proceder a essa leitura, não fechar os olhos para a realidade e atentar ao capital social, nutrindo a rede de relacionamentos, são providências essenciais para dar vida longa à trajetória profissional, com mais chances de prazer e realização.


Fonte: Por José Augusto Minarelli, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 9
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …