Pular para o conteúdo principal

Será mesmo a propaganda, o pior da TV?

"Tem telespectador que é cego." Não no aspecto de deficiência visual. Tenho amigos deficientes visuais que enxergam muito mais do que certos telespectadores, aos quais atribuo aquele tipo de cegueira e miopia, termos aqui usados para definir quem não é capaz de distinguir a mediocridade em que está envolvido. "Apontar a publicidade como o maior problema na TV", é no minimo uma irrefutável demonstração de incompetência, ou até, pra não dizer burrice e, sendo bonzinho, falta de capacidade de avaliação de muita coisa produzida e importada pela televisão em termos de conteúdo.

Tem programas policialescos e filmes como aquela série do Chaves por exemplo, tem certas novelas importadas não sei e nem quero saber de onde, tem também novelas produzidas aqui mesmo, por emissoras que não sabem fazer esse tipo de trabalho, que chegam a provocar náuseas até no mais nauseabundo dos nausebundos.

Certos programas ao vivo, então, são o que existe de pior e mais destrutivo para a cultura e educação do nosso povo. Vendo TV, a qualquer hora do dia e da noite, o telespectador abre a porta de sua casa e de sua cabeça para um exacerbado religiosismo que nada tem a ver com o verdadeiro sentido de religião. Apresentadores de certos programas, usando o nome de Deus em vão, fazem tudo para disseminar a ignorância, forçando sua vitima, o telespctador a engulir um monte de promessas estapafúrdias e invencionices, como verdades universais e absolutas.

E ainda tem gente, que tem a desfaçatez de apontar a propaganda como o pior da televisão.

Essas pessoas deveriam observar o que estão fazendo certos canais, como no caso da menina Isabella assassinada, até agora ninguém sabe por quem. É um verdadeiro show de morbidez repetida à exaustão, porque imagino, deve existir uma massa imensa na plebe ignara que goste do assunto. Eu até acredito que exista sim, essa massa de telespectadores, que passam dia e noite plugados na TV a espera da última notícia sobre quem matou a criança, para fazer o que, com essa informação, ninguém sabe, principalmente essas pessoas, que também não percebem que a programação, desses canais, quer na verdade é que a noticia esclarecedora leve muito mais tempo para aparecer, porque com isso os picos de audiência são maiores.

Em quantidade de audiência, elas até poderão conseguir algumas vitorias, esporádicas, ou no tempo de duração da morbidez, mas sem um minimo de qualidade, verdadeiras vitorias de Pirro. Será que aqueles que condenam a propaganda na TV, têm consciência de que, se não fosse a propaganda, a TV não seria o que é? Não sabem, porque sua miopia embota a sua capacidadede discernir a respeito de verdades universais com essa.

Só que, meus amigos, agora falando de publicitário para publicitários que acredito, formam a maioria dos leitores deste espaço, eu pergunto: Será que esse tipo de audiência vale alguma coisa? Será mesmo a propaganda, o pior da TV?


Fonte: Por Humberto Mendes, in www.adnews.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …