Pular para o conteúdo principal

Setor de marcas próprias ganha força com associação

Marca própria já comprovou ser um ótimo negócio, para o mercado e para os consumidores, no mundo inteiro. No Brasil, o setor é representado pela Abmapro – Associação Brasileira de Marcas Próprias (www.abmapro.org.br), que em pouco mais de um ano de fundação já reúne 31 associados, entre eles, os líderes dos varejos supermercadista e atacadista, Carrefour e Makro. As empresas sócias da entidade – varejistas e industriais dos segmentos supermercadista, atacadista e de distribuição, farmacêutico, alimentício, químico, de higiene pessoal, além de prestadoras de serviços –, juntas, faturam mais de R$ 22 bilhões por ano e são responsáveis por mais de 60 mil empregos diretos. A relação completa dos associados da Abmapro está disponível no recém-lançado portal da entidade.

A necessidade de uma entidade representativa do setor ocorreu porque os produtos de marca própria estão cada vez mais presentes no carrinho de compras dos brasileiros, de acordo com estudo anual da Nielsen. No país, a participação do setor no varejo de auto-serviço é de 5,4% em valor, revelou o 13° Estudo de Marcas Próprias realizado pela Nielsen. Ele também mostra que o volume de vendas cresceu 25,7% e em valores, 22,3%, no período de julho de 2006 a junho de 2007, enquanto as marcas tradicionais registraram crescimento de 8,4%, em volume, e 5,5%, em valores. Isso representa um aumento de 5,9% do volume de vendas das marcas próprias, em 2006, para 6,8%, em 2007, e em valores, de 4,8% para 5,4%.

Em mercados mais maduros como o europeu, a participação nas vendas alcançam até 46% (índices dos principais países, abaixo). “Ainda há bastante espaço e oportunidade no mercado de marcas próprias no país”, salienta Neide Montesano, presidente da Abmapro.

A associação nasceu com a missão de informar e orientar os empresários, bem como os consumidores brasileiros, sobre as vantagens do fenômeno “private label”, cujos produtos e serviços conquistam cada vez mais o mercado varejista. “A representatividade e diversificação de empresas, participantes de atividades em toda a cadeia, é bastante importante na associação hoje”, declara Neide.

Gigantes do varejo, Carrefour e Makro vislumbraram uma oportunidade de desenvolver a marca própria em seu negócio unindo esforços. “A Abmapro é representada por profissionais sérios e competentes, que trabalham em favor do crescimento, normatização e melhorias na área de marcas próprias no Brasil. O Carrefour entende que tem muito a contribuir na construção do setor, no aperfeiçoamento do padrão de qualidade dos produtos, na divulgação das boas práticas e no crescimento da categoria”, afirma Claudio Irie, diretor de Marca Própria do Carrefour.

Os 800 itens de marca própria nas prateleiras do Makro são responsáveis por 8% do total das vendas do líder do mercado atacadista. “Acreditamos que a importância de fazer parte de uma associação como a Abmapro está em trocar experiências com empresas que atuam em marcas próprias nos segmentos supermercadista, atacadista, de farmácias e de construção, entre outros”, diz José Luiz Luciano, gerente de Marcas Próprias do Makro.

Segundo Neide Montesano, a expectativa é que a participação do segmento cresça ainda mais e constantemente, em razão da seriedade dos projetos das empresas fabricantes e varejistas. “O desafio e a prioridade do setor continuam sendo intensificar a comunicação para que o consumidor confie ainda mais na qualidade dos produtos”, completa.

Participação das marcas próprias em outros mercados:
Suíça: 46%
Reino Unido: 39,6%
Alemanha: 30,1%
Espanha: 25,9%
França: 25,3%
Suécia: 22,4%
Portugal: 18,7%
Itália: 13,4%
EUA: 15,2%


Fonte: Assessoria de Imprensa da ABMAPRO
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …