Pular para o conteúdo principal

E esta embalagem em suas mãos?

Uma das maiores cadeias de supermercados do país, recentemente, colocou à disposição dos consumidores um serviço inovador: o recolhimento de embalagens, na saída do caixa. De agora em diante, quem quiser leva para casa somente o produto, já despido.

Na Europa, a prática existe faz algum tempo e evita acumular, transportar e a perda de toneladas de lixo "bom", que pode e deve ser reciclado. A embalagem, além de suas funções operacionais, dentre elas a de segurança de produto no seu manuseio, expressa também atributos e promessas de marca. Na missão de encantar o consumidor no ponto de venda, algumas embalagens se transformaram em ícones do que carregam. A lembrança das embalagens de perfumes mostra que muitas delas são verdadeiras jóias. Em uma sociedade que valoriza, cada vez mais, o abstrato, as pessoas compram também os invólucros.

Não é um devaneio perguntar se a Coca-Cola clássica tem o mesmo sabor fora de sua tradicional embalagem; se a água Perrier perde alguma propriedade fora da clássica garrafinha verde, ou se a Maizena fica menos confiável fora da conhecida caixa amarela. As embalagens estabelecem uma simbiose profunda com os produtos que acondicionam e também com as marcas que as assinam.

A embalagem é um patrimônio conquistado pelo marketing. O consumidor tem na embalagem um sinalizador da confiança, um artigo muito raro hoje em dia. Sem embalagem, o mundo tende a ficar mais aborrecido, homogêneo, descolorido. A idéia do supermercado responde, em parte, à grande pressão da sociedade, autoridades e organizações do terceiro setor preocupadas em preservar e minimizar danos ao meio ambiente, por meio de ações que possam dar destino correto ou reaproveitamento de resíduos, com geração do menor impacto possível e desperdício energético.

O pensamento por traz do recolhimento prévio de embalagens carrega um posicionamento bastante atual: "quem fabrica e coloca um produto no mercado também é responsável pelo seu recolhimento". Um bom exemplo são as baterias velhas de telefones celulares e de pilhas usadas acolhidas nos pontos de venda. O outro exemplo pioneiro vem da Natura, que criou um sistema de refis, para consumidores preocupados com a preservação do meio ambiente, destinados a reabastecer as embalagens originais, mais sofisticadas de seus produtos.

A reciclagem do alumínio de milhões de latas de bebidas é outro de sucesso, que utiliza o valor econômico do bem retornado. As garrafas usadas de plástico também ganharão o mesmo apelo econômico, com a transformação em matéria-prima para a fabricação de inúmeros outros produtos.

É inaceitável pensar o mundo como um lixão. Medidas preventivas adotadas pela indústria e pelo comércio são sempre bem-vindas e urgentes. O recolhimento de embalagem nos pontos de venda não significa a morte ou a desnecessidade dos envoltórios, mas um desafio à criatividade de seus designers.

Está muito próximo o dia em que, ao comprar uma mercadoria, entregaremos a usada. Vivemos diante de sérios dilemas diretamente ligados à nossa existência, como espécie, sobre a Terra. Só precisamos ter cautela para não cair no extremo oposto: as idéias higiênicas e disciplinadoras, as cidades como grandes salas de aulas de educação moral e cívica, onde se entoam hinos de louvação à morte das bactérias, vírus e fungos.


Fonte: Por Paulo Nassar, in www.aberje.com.br
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …