Pular para o conteúdo principal

Para tirar partido da web 2.0, empresas precisam entender o universo cultural da rede

Tente entender este paradoxo a respeito da internet: nenhum outro veículo de comunicação possibilita uma medição de uso (e de gostos do consumidor) tão acurada quanto a web. Poucos veículos proporcionam o grau de satisfação da rede em relação aos internautas. É o que revelam pesquisas recentes. No entanto, por que temos tanta dificuldade em adotar a internet como ferramenta de negócios?

Quem responde, em parte, essa questão é a especialista norte-americana Amy Tracy Wells, pesquisadora do Pew Internet & American Life Project. Trata-se de um instituto que - como sugere o nome - é voltado à investigação das tendências da vida cotidiana (e da rede digital) nos Estados Unidos. Segundo um levantamento da consultoria Forrester Research, 24,8% dos internautas adultos lêem blogs pelo menos uma vez por mês. Entre o público adolescente, essa proporção eleva-se para 37%. Dados como este, como ressalta o jornalista americano Stephen Baker, da Business Week, ao escrever sobre o poder da nova mídia, dão uma pista às empresas: o monitoramento de blogs permite o acesso a um "mapa de calor" do que uma parte crescente de consumidores pensa, diz, age e consome, minuto a minuto. O mesmo vale para sites de relacionamento como o Facebook.

Já na pesquisa do instituto Pew, feita com 2.796 adultos nos Estados Unidos entre setembro e novembro de 2007, os dados também são róseos: 58% dos entrevistados têm na web a fonte preferencial de busca de informação - seja ela para o preenchimento do imposto de renda ou para um um tratamento médico. Outros meios (rádio, TV, jornais, bibliotecas e até mesmo as dicas de amigos e parentes) somam juntos 42% das preferências. Nas pesquisas na internet, o índice de satisfação dos norte-americanos também é notável: 94%.

Logo, soa até estranho que a internet ainda desperte resistência. Porém, segundo Amy Wells, essa dificuldade não nasce de questões técnicas, mas sim culturais.

Tradicionalmente, as tecnologias que mudaram radicalmente a sociedade - como automóvel, telefone, rádio e televisão - se mantiveram relativamente estáticas em seu uso. Tal como 100 anos atrás, o carro ainda é usado como meio de transporte, e o telefone para troca de mensagens. O usuário sempre foi passivo.

Em contrapartida, diz Amy, "o internauta vê a si mesmo como co-criador do ambiente da rede, algo que não acontece com o dono de um automóvel em relação à malha rodoviária". Isso leva a internet à constante metamorfose.

Esse processo, ao que tudo indica, está longe do fim. A colaboração e a interação social, aliás, são os únicos denominadores comuns da internet desde seus primórdios - às redes nas universidades americanas na década de 70, ao BBS no fim dos anos 80, às salas de bate-papo dos anos 90, e ao Orkut, hoje em dia. "A capacidade de intensificar as relações sociais sempre foi o coração da internet", diz Amy.


Fonte: Por Álvaro Oppermann, in epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …