Pular para o conteúdo principal

Farmalife: Fidelização que dura o ano inteiro

As estratégias de relacionamento estão se tornando comuns nas empresas do Brasil e do mundo, principalmente no setor varejista. A rede de drogarias Farmalife - empresa que pertence ao grupo Drogasmil S.A. - é uma destas companhias que investiu em CRM – Customer Relationship Management - e conseguiu não só fidelizar o seu cliente, como encantá-lo também.

Através de um calendário personalizado, a rede surpreendeu os melhores e mais rentáveis consumidores, que receberam em casa o calendário de 2008 com o nome de cada um gravado nas imagens que acompanham os meses do ano. O projeto já tinha sido implantado em 2004, mas na época o tempo para planejar a ação era curto. Mesmo assim, foi possível identificar a satisfação nos olhos dos clientes Farmalife.

Distribuída por São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná, a rede possui a cultura de investir em relacionamento e hoje trabalha com e-commerce para facilitar o acesso aos produtos da rede. Pioneira na implantação de um setor de perfumaria dentro das drogarias, a Farmalife se preocupa em vender saúde através de um relacionamento saudável com seus consumidores.

Pouco tempo e planejamento
O caso de sucesso da Farmalife teve início em 2004 quando foi criado o primeiro calendário personalizado para os clientes preferenciais da rede. A estratégia de relacionamento da companhia obteve grande sucesso com os consumidores, mas não foi possível dimensionar de forma concreta e tangível o resultado da ação.

Resultados do projeto
- 67% dos clientes que acessaram a o site do calendário, entraram também no da Farmalife e compraram produtos das marcas patrocinadoras.
- O ticket médio dos clientes fidelizados é 65% maior que os clientes comuns.
- No período da campanha foram registrados 26% de aumento nas vendas do site.
- Baseado no cruzamento de resultados de campanhas anteriores da Farmalife, os clientes premiados consomem em média 10% a mais no ano seguinte.
- 72% dos clientes que participaram da ação em 2004 se mantiveram com alto potencial de compras e lucratividade e receberam o calendário novamente este ano

De acordo com Max Villar, supervisor de Marketing e Merchandising da rede Farmalife, mesmo com o projeto sendo lançado às pressas naquela época, o resultado foi positivo. “As pessoas nos mandaram e-mails, fax e ligaram para agradecer pelo calendário e dando parabéns à equipe de Marketing da Farmalife pela idéia”, conta o executivo em entrevista ao Mundo do Marketing.

O resultado positivo daquela ação de relacionamento foi comemorado, mas ficou um gosto de “quero mais”. Sem poder mensurar de forma clara o resultado, a proposta da rede foi planejar com mais cuidado todas as ferramentas de mensuração para a próxima ação.

Parceiros investem no relacionamento
Para lançar a campanha do calendário neste ano, a Farmalife se preparou e buscou parceiros para viabilizar o projeto devido à segmentação necessária para os cerca de dez mil clientes cadastrados. Ao apresentar o projeto aos futuros parceiros, Max Villar obteve o aval e a garantia de 100% do investimento das empresas para começar a produção das peças.

Em 2008 o projeto foi executado graças à L’oréal, Unilever, Procter & Gamble, Johnson & Johnson, Cadbury, Laboratório Pierre Fabre e E.M.S. Genéricos, marcas parceiras da rede e que foram inseridas no calendário de acordo com o produto que trabalham e o mês em questão. A estratégia para mensurar o retorno e o impacto contou com um site criado especialmente para esta ação, onde o consumidor participava de um concurso e ainda deixava uma frase contando o que achou do calendário da Farmalife.

O concurso foi baseado em uma página do calendário Farmalife, onde o consumidor escolheu e enviou a melhor imagem - na sua opinião - para a rede, com uma frase sobre a ação. O autor da melhor frase recebeu um caderno personalizado com o seu nome e a imagem de sua preferência na capa.

Ação on-line e off-line
A principal diferença entre os calendários de 2004 e o deste ano foi a mudança no formato e a aplicação de mais cores. Segundo Max Villar, isto ajudou a aumentar o relacionamento entre a empresa e o cliente. “A mudança estimulou o consumidor a falar com a empresa. Isto nos faz pensar no próximo calendário, que virá com o mesmo conceito só que com outra roupagem”, explica o supervisor de Marketing e Merchandising da rede.

Os clientes preferenciais cadastrados na rede possuem um cartão de fidelidade e assim fazem parte da base de dados da Farmalife. Desta forma foi mais fácil atingí-lo com a campanha. Porém, o cadastro feito na loja precisava ser atualizado a cada vez que o cliente ia até um dos estabelecimentos da rede. Neste processo, a Farmalife confirmava o endereço, telefone, e-mail, entre outros dados importantes para manter o contato com o consumidor.

Para facilitar o processo de atualização e dar dinâmica à ação, a Farmalife usou o e-commerce como ferramenta de relacionamento. Os melhores clientes que realizavam compras pela Internet também receberam um calendário personalizado com o nome gravado nas imagens de cada mês. A idéia de usar a web foi também uma estratégia para gerar Marketing Viral para a Farmalife.

Retorno por canal:
47% - Internet
32% - Loja e Lamina descartável
11% - Call center
8% - E-mail Marketing
1% - Fax


Pioneirismo em conceito e em atendimento especializado
A Farmalife foi uma das redes de drogarias pioneiras em oferecer setores ligados à beleza e ao bem-estar nos pontos-de-venda, de acordo com Max Villar. “O canal farma descobriu que a área beauty daria certo, já que as pessoas vão para as farmácias em busca de saúde e bem-estar”, avalia.

Em algumas lojas da rede já é possível encontrar gôndolas com produtos específicos para públicos que normalmente não freqüentam o ambiente farma, como os homens e as crianças, por exemplo. “A Farmalife tem lojas que já oferecem produtos direcionados á pessoas diabéticas”, completa Max Villar.


Fonte: Por Thiago Terra, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …