Pular para o conteúdo principal

Força à mídia digital exterior

Fragmentação e dispersão são palavras que tiram o sono de boa parte dos executivos de marketing e publicidade atualmente. Isso porque a multiplicidade dos meios de acesso aos consumidores tem feito a audiência se movimentar de um canal a outro de maneira extremamente rápida e sem muitos critérios. O que as organizações buscam é a atenção do cliente, independente do momento ou local que estiver.

Com base nesses critérios foi criada hoje a Associação Brasileira de Mídia Digital Out of Home (ABDOH), entidade formada por empresas que utilizam monitores de alta tecnologia para transmitir programação relevante para as pessoas que estão fora de casa, seja em ônibus, supermercados, bares, elevadores, restaurantes, entre outros.

Presidida por Waltely Longo, a associação conta inicialmente com 13 companhias fundadoras que têm como proposta consolidar números do segmento e estimular empresas anunciantes a investir mais recursos nesse tipo de mídia. Segundo o Projeto Intermeios, o setor movimentou R$ 39,65 milhões no ano passado. A previsão da entidade para 2008 é que este mercado cresça mais de 100%, ultrapassando a barreira dos R$ 75 milhões.

Nos Estados Unidos, o setor movimenta algo em torno de US$ 1,3 bilhão. Um levantamento conduzido recentemente pela eMarketer, empresa especializada em estudos na área de marketing digital, revela que o setor de mídia digital out of home deve somar receita de aproximadamente US$ 2,25 bilhões até 2011.

O recado é claro. A meta não é tratar o segmento como mídia alternativa. “Somos fruto de um novo processo de dimensão mundial onde se valoriza comunicação fora de casa (em diferentes locais), com os consumidores em movimento, e onde se procura explorar da melhor e mais pertinente forma aquele momento especifico da interação. Esse momento pode estar ligado ao ponto de venda, pessoas em movimento em diferentes situações (vôo, elevador, etc), seja em ambientes fechados ou abertos”, diz o presidente da entidade.

Até então, quem tem feito o mercado crescer são, principalmente, as próprias agências de propaganda. Entre os principais anunciantes, a entidade destaca o setor automobilístico, cartões de crédito, varejo, bancos, alimentos, beleza, cursos, cinema, governo, restaurantes, companhias aéreas, telefonia, assistência médica, laboratórios, refrigerantes, cuidados pessoais e limpeza, universidades, entre outros.

O plano de ação ainda está sendo detalhado pelo integrantes da entidade, mas a tarefa não será fácil. São cerca de 15 iniciativas para aproxima a mídia digital out of home do mercado anunciante. Essa programação, que inclui pesquisas, workshops e definição de métricas, será apresentada no site da associação nas próximas semanas.

De acordo com Flávio Polay, diretor de marketing da Elemidia, uma das integrantes do grupo, a associação quer impulsionar o aumento da verba destinada a este canal por meio da elaboração de práticas de desenvolvimento e aculturação do mercado anunciante. “Na prática, isto já vinha acontecendo de forma isolada por cada empresa operadora, mas agora faremos isto em conjunto”, revela o executivo.

Neste primeiro momento, a entidade vai se concentrar na criação de um portal com informações relevantes sobre as empresas e dados que dizem respeito ao mercado. “Queremos também estimular a produção de pesquisas e métricas para melhor aferir o desempenho do meio e das empresas”, diz Eduardo Aidar, diretor comercial da TVO.

Conteúdo
Um erro na oferta de conteúdo pode ser crucial para o sucesso ou não de iniciativas do gênero. E esse deve ser, inclusive, um dos principais desafios organizar e distribuir o conteúdo de forma inteligente e relevante.

Como pretendem tratar a questão da intrusão, que pode ser mortal para o modelo, ou seja, se o ponto não souber oferecer aos clientes o conteúdo ideal ou adequado, ele não servirá, ao contrário, afastará os usuários. “Os conteúdos têm que ser adequados e em sincronia com os diversos públicos que estão em movimento, no momento, local e dose certos”, explica Longo.

Luiz Roberto Valente, diretor comercial da TVTrem, lembra que o mercado especializado na produção de conteúdo está sim preparado para atuar efetivamente, preparando projetos customizados para anunciantes que acreditam no poder do conteúdo atrelado à mensagem publicitária. “No caso da TvTrem, que é feita por uma produtora de conteúdo, temos uma ação proativa em que oferecemos blocos de matérias patrocinadas. Entendemos que esse é um importante caminho para atrair ainda mais o investimento do anunciante”, diz.


Fonte: Por Eduardo Vasques, in www.consumidormoderno.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …