Pular para o conteúdo principal

Marcas têm que correr para fazer Mobile Marketing

O celular não pode mais ser ignorado pelas agências de publicidade e anunciantes como ponto de contato e de interatividade com o consumidor. Na mão de quase todo brasileiro, este aparelho tem o poder de atingir em cheio o objetivo de uma ação de Marketing. Isso, com mensuração e podendo pagar pela efetividade. Mas, para tudo dar certo, é preciso que as ações de mobilidade sejam pensadas desde o planejamento de uma campanha publicitária ou promocional, afirmam os especialistas.

Se o consumidor tem o celular com ele o dia todo, “Faz sentido pensar em uma estratégia que envolva o celular para estabelecer uma conversa com ele”, afirma Leonardo Xavier, sócio-diretor da Pontomobi, empresa que já realizou mais de 60 campanhas para clientes como Ambev, FIAT, IBM, Motorola e Banco Real. “Existe um processo a ser seguido que às vezes pode levar até quatro meses para gerar um case”, completa Marcelo Castelo, sócio-diretor da F.Biz e que já desenvolveu ações mobile para empresas como Unilever, Nestlé, Pepsico, Adidas, Natura, Brastemp, Petrobras, entre outros.

Gerar um caso de sucesso pode não ser tão rápido quanto um envio de SMS, mas certamente é eficiente. A F.Biz, por exemplo, desenvolveu uma ação mobile para o novo Seda Teens em quatro meses. “O site wap teve 360 mil visitas em 45 dias e isso é o dobro da Internet. Só tivemos este resultado porque fizemos uma ação integrada. Integramos o site da Internet com o do celular”, conta Marcelo Castelo.

Ações integradas é que dão resultado
A integração pode também incluir outras mídias, como revistas, conforme fez a Pontomobi para a Boemia. Uma campanha chamava os consumidores para baixarem um guia de botecos pelo celular e obteve um retorno além do esperado. Já para o Bradesco, a ação envolvia um banner na internet em que o internauta colocava o número de seu celular para receber uma ligação da modelo e apresentadora Ana Hickmann.

Até então, nada na campanha identificava o banco. Somente ao receber a ligação que a mensagem passada era do Hiper Fundo Bradesco. “Uma ação como esta é 100% mensurável e paga somente pela performance”, explica Leonardo Xavier, completando que estratégias assim podem ser replicadas em outras marcas e produtos. Umas terão mais sucesso que as outras, mas todas conseguirão falar com o seu consumidor. Afinal, não se esqueça, ele está com o celular integrado ao seu cotidiano.

As ações de Mobile Marketing são muito mais que um simples disparo de SMS, afirma os especialistas ouvido pelo Mundo do Marketing. “Tem que encarar o celular como uma plataforma de comunicação que é absolutamente rica e interativa”, aponta Xavier. “Mobile Marketing é tudo”, completa Marcelo Castelo. “É portal de voz, bluetooth, SMS, wap (site móvel) e até games. Seda Teens teve milhares de pessoas que baixaram o game e que serão impactadas pela marca constantemente”.

Mercado em crescimento
E vem mais por aí. Com a disseminação da rede 3G, o celular ganhará novas funcionalidades. “Vídeo será algo mais consistente. As marcas terão que correr para pensar os seus portais para a plataforma móvel. Não dá mais para acessar o site todo quebrado. A Internet pelo celular passa a ter uma importância muito grande com o 3G”, ressalta Leonaro Xavier.

Esta correria, no entanto, precisa ser planejada. “Não estamos numa corrida. Estamos numa maratona”, adverte Castelo. “O mercado ainda é embrionário e está todo mundo querendo saber. Os anunciantes querem fazer, mas o mercado ainda está complexo. As regras ainda não estão tão claras. O mercado ainda não sabe o que pode e o que não pode ser feito. Tem várias coisas que ainda não tem padrão e preço. Precisa ter isso para o mercado decolar. Mas dá para viabilizar os projetos e ter casos de sucesso”, pondera.

Como desenvolver casos de sucesso em Mobile Marketing é o tema do painel em que Leonaro Xavier e Marcelo Castelo participação no Seminário Marketing 360º. O evento acontece entre os dias 26 e 27 de junho no Rio de Janeiro e tem patrocínio da Sun/MRM, TNS InterScience, Copernicus Marketing e Dinamize. Saiba mais aqui.


Fonte: Por Bruno Mello, in www.mundodomarketing.com.br
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …