Pular para o conteúdo principal

Medial consolida marca de olho em aquisições

Depois de abrir o capital no final de 2006, a Medial Saúde captou R$ 750 milhões e foi às compras. Como estratégia de fortalecimento a empresa realizou as aquisições da rede de laboratórios Endomed, por R$ 5 milhões, do plano odontológico E-Nova, por R$ 2,1 milhões, da operadora de planos de saúde Amesp, por R$ 253 milhões, e do Grupo Saúde (Recife). Esta compra será realizada em duas etapas, aquisição direta e imediata de 49% das quotas por R$ 17 milhões e, posteriormente, aquisição das quotas remanescentes, em março de 2010, pelo valor equivalente três vezes o Ebitda do Grupo Saúde do exercício de 2009. Sem nenhuma dívida, a empresa tem R$ 250 milhões em caixa para fazer aquisições. Na mira da empresa estão hospitais, operadoras de saúde e centros diagnósticos.

Com isso, a Medial Saúde possui hoje 1,4 milhão de vidas e tem o objetivo de chegar a três milhões em 2010. Além disso, a empresa também investiu no fortalecimento de sua rede própria, com a construção de hospitais e centros de diagnósticos e atendimentos.

Marketing
Em continuidade à estratégia de reposicionamento e unificação de sua marca, a Medial Saúde apresenta uma nova linha de produtos. A marca Amesp deixa de existir após um trabalho de comunicação realizado com as cerca de 500 mil vidas que foram integradas ao sistema Medial. Na área odontológica, a E-Nova Odonto também passa por mudança e agora é Medial Odonto.

Com a compra da Amesp, a companhia passou a atuar mais intensamente no segmento popular, "em que não estávamos presentes com tanta força", comenta o diretor-executivo comercial da Medial Saúde, Nilo Sérgio Silveira Carvalho. Ele adianta que está nos planos da empresa entrar também no setor voltado a um público de altíssimo poder aquisitivo, mas faz segredo quanto aos detalhes dessa ação. Entre as principais empresas que atuam nesse mercado estão a Lincx e a Omint.

Dentro do processo de reposicionamento da marca, a companhia optou em patrocinar o Sport Club Corinthians Paulista, mesmo em um momento difícil para o time, que hoje disputa a segunda divisão do Campeonato Brasileiro de Futebol. "Esse patrocínio foi muito importante para tornar a marca cada vez mais conhecida, principalmente em regiões onde a Medial não tinha uma presença forte", afirma o executivo. A empresa tem feito ações com clientes, fornecedores e parceiros envolvendo os jogos do time. Também foi criado um plano de saúde voltado especialmente para os torcedores corintianos que aderirem ao Programa Fiel Torcedor e associados ao clube. Além da carteirinha e do guia de orientação personalizados com as cores e o símbolo do clube, há também um site diferenciado (www.medialcorinthians.com.br) e, o principal, um desconto de 10% em relação ao preço de tabela dos planos. Na área esportiva, a Medial Saúde patrocinou as edições da corrida Corpore e foi a fornecedora oficial dos serviços de saúde da Mil Milhas Brasil 2007.

Para reposicionar a marca Medial no mercado a companhia contratou a agência Matos Grey. "Um dos objetivos foi passar um conceito diferente para o consumidor. Sair do lugar comum. Deixar de passar uma imagem protetora, mas passar uma imagem de cumplicidade com o cliente, com maior ênfase na preservação da saúde, na medicina preventiva", afirma o presidente e diretor-geral de criação da Matos Grey, Silvio Matos.

Carvalho explica que a idéia é trabalhar com a prevenção da doença, algo mais barato do que tratar a doença. "Com esse conceito, o objetivo é manter o negócio da empresa sustentável e acompanhar o cliente por muitos anos", diz. Por isso a preocupação em gerir hospitais, centros de diagnósticos e de atendimento. "Sabendo como é feita uma cirurgia, por exemplo, sabemos exatamente quanto é gasto para realizá-la. Assim fica mais fácil negociar com nossos prestadores de serviços os valores da mesma cirurgia realizada em um hospital conveniado", afirma Carvalho.

No que diz respeito à comunicação, há a promessa de muitas ações no segundo semestre deste ano. "A Medial estará bem mais presente na vida dos clientes a partir do próximo semestre", revela Matos, sem, no entanto, detalhar os projetos.

No ano passado, o lucro líquido da Medial saúde foi de R$ 73,5 milhões, o que representou um crescimento de 28,5% em relação a 2006. A receita total da companhia chegou a R$ 469,4 milhões no primeiro trimestre de 2008, um crescimento de 45,6% em relação ao mesmo período de 2007.


Fonte: Por Sheila Horvath, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 7
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …