Pular para o conteúdo principal

Na Amex, o pagamento do CEO depende dos resultados de longo prazo

Como remunerar o presidente da empresa? Eis aí um tema recorrente nas reuniões de conselhos de administração. Se é assim, o exemplo dado pela American Express, nos Estados Unidos, é uma contribuição valiosa para conselheiros preocupados em manter o principal executivo motivado, focado no retorno ao acionista e comprometido com desempenho de longo prazo.

Entre novembro de 2007 e janeiro deste ano, a Amex remunerou seu CEO, Ken Chenault, com opções sobre 2,75 milhões de ações. Pela lógica das stock options, pode ou não ser uma bolada, já que o executivo só ganha dinheiro se as cotações subirem até o momento acordado para a conversão das opções em ações. Com a bolsa americana em baixa devido à crise no mercado de crédito, é um risco e tanto.

Mas não é só isso. Para converter suas opções, Chenault terá de cumprir várias metas ao longo dos próximos seis anos - um período extraordinariamente longo pelos padrões do mercado. De acordo com uma recente reportagem da revista Fortune, os lucros por ação terão de crescer ao menos 15% ao ano; as receitas devem aumentar pelo menos 10% ao ano, e o retorno médio anual terá de ser, no mínimo, de 36%.

O pacote de Chenault é calcado em dois ingredientes raros no meio corporativo brasileiro: opções de ações e metas de longo prazo. "Stock options são um mecanismo novo por aqui, que só começou a se disseminar com a onda de IPOs", diz o headhunter Dárcio Crespi, sócio-diretor da consultoria Heidrick & Struggles. "E objetivos de longo prazo também não são comuns, até pelo nosso passado de mudanças freqüentes no ambiente econômico." Sua sugestão, para quem se anima com o "modelo Amex", é a negociação de metas graduais, aferidas em prazos menores.

O exemplo da Amex vem a calhar em uma fase marcada por pagamentos inflados. Em 1980, um CEO ganhava, em média, 42 vezes mais do que um trabalhador comum nos Estados Unidos. Em 2005, essa proporção havia saltado para 411 vezes. De acordo com um estudo da Kellogg School of Management, o tamanho da empresa, seu desenho organizacional e a estrutura do mercado onde ela atua determinam os salários dos executivos. Algumas conclusões: quanto maior o mercado em questão, maiores serão os salários dos CEOs; a popularidade do executivo e seu desempenho anterior são determinantes para sua remuneração; quanto maior a competição por participações de mercado, melhores os bônus aos presidentes. Pelo modelo da Kellogg, há dois tipos de empresas: as transparentes, nas quais o desempenho de cada um é visível a todos, e as não transparentes, nas quais apenas o desempenho coletivo é perceptível. No primeiro tipo, a remuneração é maior.


Fonte: epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …