Pular para o conteúdo principal

OMS sugere padronização de maços de cigarro

A indústria tabagista pode sofrer um duro revés, caso a sugestão feita pela Organização Mundial da Saúde (OMS) de criar maços genéricos para o cigarro seja adotada pelos países. Isso pode significar o fim das embalagens como as conhecemos, que seriam todas muito semelhantes. No Brasil, onde a lei já é bastante severa e impõe restrições à publicidade do produto, além de obrigar a indústria a imprimir imagens fortes sobre os efeitos danosos causados pelo cigarro em seus maços, a medida não está descartada, mas ainda se sujeitará a análises do Ministério da Saúde, que evita falar sobre o assunto.

Com dois órgãos responsáveis pela implementação das campanhas antitabaco e das medidas de combate ao consumo - Instituto Nacional do Câncer (Inca) e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) -, o governo garante que a proposta ainda não começou a ser discutida. O Inca informou que o assunto é muito recente e não ganhou os debates do instituto. Já a Anvisa informa que o fato de ser uma sugestão da OMS não indica que será acatada; mas, caso ocorra, a alteração das embalagens será proposta pelo Ministério e implementada pela agência sem a necessidade de aprovação do Congresso Nacional.

Para Bob Vieira, da NovaS/B - agência que desenvolveu campanha antitabagismo da OMS -, o marketing da indústria é muito forte e atua em várias frentes. Contudo, ele ressalta que a legislação brasileira não consegue agir em algumas delas, como o cinema, pois a maior parte das películas é internacional. Apesar disso, ele acredita que, caso o governo invista maciçamente em campanha de combate ao consumo do cigarro, será possível traçar um paralelo ao marketing pró-tabaco.

Vieira explica que a idéia da campanha desenvolvida para a OMS foi atacar o público jovem, que é de fato o mais assediado pela indústria. Para ele, as campanhas de combate têm o dever de mostrar a verdade sobre o cigarro: ele vicia, causa dependência química e traz enormes danos à saúde.

No caso das embalagens genéricas, ele afirma que essa seria uma medida crucial para acabar com a identificação das marcas. Vieira destaca que qualquer pessoa em qualquer continente consegue identificar algumas marcas, isso porque o investimento da indústria é muito forte e assegura a fidelização do seu consumidor.

"Toda iniciativa de combate ao consumo é bem-vinda e todas devem ter como foco os jovens, pois eles são o alvo da indústria, e as campanhas de combate devem contra-atacar", disse Vieira.

Ele ainda ressalta que, no caso do Brasil - que possui uma legislação avançada antitabaco -, tais maços virariam "out­doors contra o cigarro", pois em branco, com a marca em letra pequenas e com as fotos de alerta aos problemas de saúde o ato de fumar se tornaria constrangedor.


Fonte: Por Alexandra Bicca, in www.meioemensagem.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …