Pular para o conteúdo principal

A ousadia de raiz, por Paulo Nassar

É muito difícil fazer a comunicação de empresas de commodities. Commodities quase nunca produzem imagens bonitas. Minério de ferro, petróleo bruto, celulose, dentre outras, não têm a graça de criança inocente, brincando e sorrindo ou o charme de mulher jovem e bonita fazendo pose para as câmeras, elementos cênicos que fazem o sucesso de anúncios de revista e televisão.

Diante do quadro apresentado, é jogar dinheiro e tempo pela janela, tentar enganar o próximo, quando a empresa que tem o seu negócio em atividade com grandes impactos ambiental, social e econômico teima em fazer uma comunicação cosmética, bonitinha, baseada em uma narrativa publicitária otimista, juvenil demais, que procura nos vender a idéia de empresa totalmente limpa, sem nenhum impacto.

Um exemplo que vai na contramão dessa comunicação que não faz pensar é a campanha que revela a nova identidade sócio-ambiental da Aracruz Celulose, denominada Bem de Raiz e expressa em uma logomarca que lembra o círculo oriental, integrado pelas forças contrárias e complementares do yin e do yang.

Sem dúvida uma proposta de identidade visual que propõe o diálogo sobre as perspectivas da empresa dentro da sociedade com outros pontos de vista. Aliás, proposta de diálogo reforçada pela pergunta trazida em cada anúncio: "Que frutos você pretende deixar?".

Quem pergunta, com certeza, se propõe a ouvir respostas. E outras indagações intrigantes nascem do anúncio ilustrado por pessoas de muita idade. São rostos muito velhos, cheios de belas rugas, mas não rostos cansados. São velhos que não fazem parte da rotulada e mercantilizada terceira idade. Os velhos protagonistas do anúncio da Aracruz nos olham confiantes, altivos e esperançosos por serem bons frutos, terem caules sólidos e estarem nutridos por boas raízes (bens de raiz). As belíssimas e realistas fotos dos rostos idosos, em fundo negro, têm nas alturas de seus pescoços a aplicação de ilustração digital que os assemelham a caules e raízes.

A surpreendente campanha da Aracruz nos faz pensar na relação entre árvore, homem e empresa; a relação entre o tronco e a sustentação do homem e da empresa; a relação entre os frutos e o que se colhe da ação humana e da ação organizacional; a relação entre as folhas, no anúncio inseridas sutilmente nos caules, como fonte de energia essencial para o homem e para a atividade organizacional.

Na semana comemorativa do Meio Ambiente, o anúncio da Aracruz quebrou a mesmice de uma comunicação voltada para a sustentabilidade. E a ousadia veio de uma empresa de commodities.


Fonte: Por Paulo Nassar, in terramagazine.terra.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …