Pular para o conteúdo principal

Qual o parceiro ideal para o planejador de web?

Dentro de uma agência não há uma pessoa ou equipe mais especial ou importante do que a outra. Se cada trabalho não for feito com empenho e dedicação, nem o mais genial dos publicitários é capaz de criar sozinho algo relevante para seu cliente.

Uma das minhas filosofias de mercado é que: dentro de uma agência não há pessoa ou equipe mais importante, a importância vem do trabalho integrado em que todas as áreas devem estar empenhadas em um objetivo comum: fazer com que a campanha supere os objetivos dos clientes. É como uma máquina. Se uma roldana da engrenagem falha, pára todo o processo. Na agência também.

Os profissionais devem trabalhar seguindo a linha da campanha definido em conjunto. Cada departamento sabe o que fazer e o faz com competência, porém isoladamente. Ao final de cada trabalho executado, junta-se tudo e apresenta ao cliente. Não é raro ver o atendimento desesperado a uma hora da reunião com o cliente estar na mesa da criação esperando o layout ou na mesa da mídia esperando o planejamento, custos, análises.

Alguns diretores defendem que cada vez mais os departamentos devem estar integrados, o que eu concordo. Em alguns cursos que fiz, ouvi profissionais gabaritados do mercado defendendo que a mídia e a criação devem atuar juntos, entretanto, também ouvi – e já introduzi isso em algumas agências que trabalhei – onde o planejamento deve estar “colado” na criação. Assim, o planejamento deve estar ao lado do atendimento, que deve estar próximo a produção. Continuando, vamos chegar ao conceito de trabalho integrado.

No ambiente online, onde atuo, vejo essa integração acontecendo mais facilmente, pois ao contrário das grandes agências offline, presentes em prédios com vários andares onde as equipes são separadas em cada andar, no online as equipes e espaços são bem reduzidos, facilitando essa integração, afinal a proximidade de todos os departamentos é muito maior.

Porém, mesmo no ambiente online, essa integração ainda é algo difícil de acontecer. Todas as áreas trabalhando juntas para o mesmo cliente. O que acontece são reuniões de passagens de briefing e um gerente de projetos organizando tudo, porém, acredito que é uma tendência a integração e não vai demorar muito. Como planner, eu desenvolvo projetos com toda a equipe, mas na minha opinião – e por isso o artigo, o profissional de TI é o parceiro ideal para o sucesso do planejamento.

O profissional de inteligência, ou seja, aquele que pensa o projeto como um todo, que analisa mercado, perfil de público, concorrência, tendências precisa de um profissional ao seu lado com um entendimento mais técnico do assunto. Penso que o planejador não precisa saber de tudo, conhecer a fundo cada ferramenta online. O que ele precisa é saber e conhecer como o seu público-alvo utiliza determinada ferramenta e acima de tudo, entender como essa ferramenta pode dar um “plus” ao seu projeto.

Vamos exemplificar. Hoje em dia temos RSS, Digg, De.lici.us, MySpace, Facebook, MSN, Orkut... Essas são algumas das ferramentas principais da web 2.0. Chamo a atenção para uma matéria publicada no blog Viu Isso? Do Michel Lent onde ele aponta todas as ferramentas disponíveis na web 2.0 nos dias atuais. Em alguns meses essa lista estará desatualizada. Isso se já não está.

Dentro dessas inúmeras ferramentas um planejador deve as analisar pensando: como isso vai impactar meu público? Como ele vai interagir? Isso é relevante para ele? Tem a cara da minha marca?

Após essas e outras respostas, o planejador passa para a fase seguinte: ok, agora como usar essas ferramentas? Nesse momento, o profissional de TI é fundamental – daí a minha teoria de que esse é o profissional ideal para o planejador de web – começa a nascer uma parceira, teoria X prática aplicada ao mesmo tempo por dois profissionais de formação e visão do negócio completamente diferentes, mas que possuem o mesmo objetivo.

O profissional de TI é quem vai ter o conhecimento técnico e prático de como explorar essas ferramentas, como aplicá-las na prática no projeto e em muitos casos, mostrar ao planejador como usar cada uma delas, ao passo que o planejamento vai aplicar sua teoria e aprendizado no desenho do projeto, sabendo como que seu usuário pode explorar ao máximo tudo o que foi aplicado no projeto.

Se por um lado o planejador pesquisa o público e o mercado, o profissional de TI está em fóruns conversando e trocando experiências sobre sistemas e softwares, assim, cada qual pesquisa na sua área o que é necessário, se focando no seu trabalho e produzindo mais.

Em tempos de web 2.0, onde a colaboração manda no jogo, cada profissional deve colaborar com o outro para o sucesso do projeto, superando todas as expectativas dos exigentes clientes.


Fonte: Por Felipe Morais - publicitário, especialista em planejamento de projetos web, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …