Pular para o conteúdo principal

Sucessão presidencial, por Max Gehringer

Há algumas diferenças elementares entre o cargo de presidente da República e o de CEO de uma empresa. A primeira é a periodicidade. Enquanto na política as datas são estabelecidas por lei, nas empresas elas são indeterminadas. Pode ser na próxima década ou pode ser amanhã cedo. A segunda é o cumprimento das metas. Uma vez eleito, o governante poderá "esquecer" algumas das promessas de campanha. O CEO tem plena consciência de que os objetivos de curtíssimo prazo determinarão seu futuro. A terceira é a estabilidade. Depois de empossado, o governante público poderá ver seu índice de popularidade desabar, mas nem assim perderá o cargo. Qualquer CEO adoraria poder gozar desse conforto. E a quarta diferença é aquela que um CEO raramente considera como prioridade imediata - a própria sucessão. Mesmo que demonstre a pretensão de ficar na função até o dia do Juízo Final, não pode ignorar que esse desejo não será inteiramente compartilhado pelos colaboradores mais próximos.

O CEO é como aquele parente que estica uma visita além da conta. Lá pelas tantas, quando ele finalmente diz que está na hora de ir embora, a família até o recrimina pela pressa ("Ainda é cedo..."), mas alguém já corre para abrir a porta. Sempre há candidatos permanentes à posição do CEO. São os diretores. Teoricamente, todos pertencem à mesma instituição, o PEU, Partido da Empresa Unida. Na prática, cada um é seu próprio partido. Alguns sabem que suas chances de chegar a CEO são mínimas, mas também sabem que terão razoável influência na indicação do felizardo. É o caso dos diretores de RH, que raramente chegam a número 1, mas cujo peso político não pode ser ignorado pelos pretendentes.

Durante minha carreira, eu identifiquei três tipos de CEO. O primeiro é o precavido. Ele contrata diretores com o nível mínimo de pré-requisitos exigidos para o cargo. Estando quase no limite de sua competência, eles contentam-se com a manutenção de suas poltronas, e o CEO sente-se protegido. O segundo tipo é o camicase, que se cerca de diretores com extrema ambição e grande potencial para se tornarem CEO em curto prazo. Como, obviamente, só um deles poderá chegar ao topo da escada, o CEO transforma-se em bombeiro, e passa o tempo administrando conflitos entre seus subordinados. O terceiro tipo é o previdente. Ele tem plena consciência de que seu cargo terá uma vida útil mais curta do que ele gostaria. E equilibra seu staff direto, com dois potenciais sucessores em médio prazo, e mais dois ou três que ficarão contentes em executar bem suas tarefas e permanecer à sombra da disputa sucessória.

No mais das vezes, o CEO precavido acaba sendo substituído por não gerar os números esperados, e o CEO camicase é derrubado por um de seus subordinados. Já o CEO previdente dificilmente passa por dissabores. Entre outras coisas, porque ele é o tipo de CEO mais amado pelos headhunters. Aquele que se preocupa com sua sucessão, enquanto consegue o máximo de resultados com um mínimo de conflitos.


Fonte: Por Max Gehringer, in epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …