Pular para o conteúdo principal

Uma Poderosa ferramenta de marketing quase de graça

Todos os profissionais de Marketing que conhecem bem seu ofício sabem que a embalagem é importante para o Marketing Mix e um componente do branding que merece atenção. O que nem todos sabem e vale a pena frisar é que os estudos que estão sendo desenvolvidos nesta área demonstram que a embalagem é uma poderosa ferramenta de Marketing que infelizmente ainda é pouco utilizada em todo o seu potencial o que faz com que muitas empresas deixem de aproveitar sua enorme contribuição ao esforço de Marketing que elas empreendem.

Em linhas gerais é isso que mostra o Diagnóstico da Gestão de embalagem nas empresas brasileiras realizado pela GFK Indicator para o Núcleo de Estudos da Embalagem da ESPM. Este Núcleo tem se dedicado ao estudo da utilização da embalagem como ferramenta de Marketing e vem abrindo novas possibilidades para sua aplicação, pois as embalagens da empresa podem ser utilizadas como ferramenta de Marketing desempenhando uma série de funções que colocam o esforço de Marketing da empresa num outro patamar de desempenho.

Elas podem servir de base para mais de 50 tipos de ações promocionais que aumentam o apelo de venda do produto e seu envolvimento com a marca gerando contatos, respostas e interação. Podem ser utilizadas com veículo de comunicação conduzindo mensagens, inclusive anúncios de outros produtos da empresa e fazendo a integração com a propaganda, pois não custa nada colocar uma chamada ou elemento da campanha que está sendo veiculada na embalagem, aumentando muitas vezes em milhões de repetições de um slogan, por exemplo.

A Nestlé criou um programa denominado Nutritional Compass com o objetivo de fornecer informação sistemática sobre os aspectos nutricionais de seus produtos. Em todas as embalagens da empresa aparecem inserções deste programa o que alcança em um ano mais de 7 bilhões de mensagens emitidas, pois este é o número aproximado de embalagens que a empresa coloca no mercado a cada ano apenas no Brasil. Ao utilizar a embalagem como veículo de comunicação a empresa está utilizando um recurso que ela tem dentro de casa a custo zero pois o custo da embalagem já está embutido no custo do produto.

Outra área de pesquisa trabalhada pelo Núcleo é a integração da embalagem com a internet pois a embalagem é hoje o mais eficiente cartão de visitas para o site do produto podendo conduzir ações de relacionamento que levem o consumidor ao endereço eletrônico constituindo-se num elemento de apoio a toda a atuação de Marketing digital da empresa.

Até pouco tempo atrás, os sorteios exigiam que o consumidor recortasse os códigos de barras e os enviassem pelo correio para concorrer. Hoje ele entra no site, se cadastra, digita o selo da promoção e já está concorrendo. A integração da embalagem com a web representa uma nova fronteira na utilização da embalagem como ferramenta de Marketing e está abrindo possibilidades incríveis nesta interação pois simplificou muito a logística operacional das promoções abrindo novas possibilidades de alcance antes impensáveis.

A Coca-Cola criou na Europa alguns anos atrás um super portal de música com mais de 250 mil títulos e estampou na parte interna de seus rótulos uma senha de acesso que dava aos consumidores o direito de baixar músicas. O sucesso foi extraordinário. A novidade é que a entrega do prêmio podia então ser feita em larga escala, pois era feita automaticamente pela web sem necessidade de processamento, manuseio e despacho.

A marca de refrigerantes canadense Jones Soda construiu toda a sua estratégia de Marketing baseada na interação radical com seus consumidores tendo a embalagem e seu site como protagonistas deste processo. Um caso de sucesso extraordinário que tem sido objeto de atenção por parte daqueles que estudam marketing avançado.

O Núcleo de Estudos da Embalagem da ESPM vem estudando estes casos, desenvolvendo metodologia de aplicação nesta área e acumulou muitos casos de sucesso de marcas e produtos cujo fator decisivo foi a embalagem. São casos importantes que não deixam dúvida sobre seus resultados.

Sabemos que os profissionais de Marketing estão sobrecarregados com a fragmentação que esta atividade vem sofrendo nos últimos tempos. Não se pode exigir que eles saibam também utilizar todas estas possibilidades oferecidas pela embalagem, mas elas são tantas e tão importantes, sobretudo quando se sabe que cerca de 90% dos produtos expostos em um supermercado não tem qualquer apoio de Marketing, que consideramos uma necessidade premente para estes profissionais conhecerem e serem capazes de aplicar em suas empresas os conceitos de utilização da embalagem como ferramenta de marketing, pois como dissemos, ela já está disponível e seu custo incorporado no custo do produto constituindo um recurso extra que pode fazer a diferença na competição de mercado.

Esta na hora dos profissionais de Marketing abrirem seus olhos para as novas possibilidades de utilização da embalagem como ferramenta de competitividade, pois isto ampliará o alcance de suas ações e fará sua verba render muito mais.


Fonte: Por Fabio Mestriner - Professor e Coordenador do Núcleo de Estudos da Embalagem ESPM, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …