Pular para o conteúdo principal

Vigilância via satélite

A primeira vez em que Juan Carlos Pinheiro, 30 anos, apresentou seu rastreador de pessoas em forma de tornozeleira aos empresários da Paraíba foi chamado de louco. "Como alguém pode ganhar dinheiro com uma coisa que só se vê no cinema?", questionavam os mais conservadores. Paraibano, formado em engenharia eletrônica e telecomunicação, ele não se abatia. "Desde o começo eu queria montar um negócio de alto cunho tecnológico e diferente de tudo o que havia no mercado", diz. Sua empresa, a Insiel Tecnologia Eletrônica, foi aberta em 2001, próximo ao pólo de tecnologia de Campina Grande, distante 125 quilômetros de João Pessoa, na Paraíba.

O primeiro produto lançado foi um software de segurança empresarial, sem similares no Brasil. Mas foi o rastreador de pessoas que projetou a empresa no cenário nacional. O produto, que também pode ser adotado para garantir a segurança de executivos e de crianças, segundo Pinheiro, funciona a bateria e tem uma trava eletrônica. Seus sinais são captados através de satélite e localizados pela central da Insiel em qualquer lugar do país onde a pessoa estiver. "É um produto sem risco de violação, que pode ser usado com discrição", diz o empresário. Cada tornozeleira custa R$ 350 e o kit de rastreamento, contendo equipamentos e softwares, custa em média R$ 10.000, bem abaixo dos similares importados, na faixa dos R$ 200.000. A primeira penitenciária a usar o produto para os detentos em regime semi-aberto foi a de Guarabira, na Paraíba. Hoje há dois projetos pilotos em andamento em presídios de Belo Horizonte e Brasília.

Com 22 distribuidores e cobertura nacional, a Insiel acaba de tirar do forno um novo kit, desta vez para o rastreamento de equipes de vendas. Com ele pode-se monitorar on-line as visitas aos clientes e o cumprimento das metas de cada profissional. O potencial do novo produto, segundo Pinheiro, é de 20.000 clientes e ele espera elevar o faturamento anual da empresa dos atuais R$ 3 milhões para R$ 19 milhões ainda em 2008.

Segundo Francilene Garcia, diretora geral da Fundação Parque Tecnológico da Paraíba, esses são apenas alguns dos exemplos da inquietude de Pinheiro em busca do novo. "Desde o início ele deixava claro que seus parâmetros não eram os concorrentes locais, mas as grandes empresas internacionais com suas tecnologias inovadoras. E que não estava nos seus planos deixar a região", diz a executiva.

Na visão de Pinheiro, manter uma empresa de tecnologia na Paraíba tem vantagens. A mão-de-obra qualificada custa 30% menos do que no Sudeste e os incentivos fiscais são semelhantes aos da Zona Franca de Manaus. Mas a distância também impõe desafios. Para ter abrangência nacional, a empresa precisa firmar uma parceria forte com distribuidores e montar um escritório em São Paulo ou no Rio de Janeiro, já que o cliente busca a tecnologia nos grandes centros. A Insiel optou por São Paulo para abrir sua primeira filial. "O retorno não poderia ser melhor", diz Pinheiro.


Fonte: empresas.globo.com/empresasenegocios
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …