Pular para o conteúdo principal

As mídias sociais e a imprensa

A revista Time, no fim de 2007, escolheu você como personalidade do ano. Isso mesmo: você, eu, todos nós que estamos conectados à internet. A escolha da revista reflete o início da nova era de compartilhamento do conhecimento pelos meios digitais, sem fronteiras geográficas e, conseqüentemente, de mudança no eixo do poder. É a hora e a vez dos cidadãos e consumidores reverberarem as suas opiniões na velocidade e na imensidão da internet, impactando a política, os negócios, a imprensa e todas as relações sociais no mundo ‘real’.

Aqui no Brasil, a Textual realizou uma pesquisa, com a colaboração de seus parceiros regionais Interface Comunicação Empresarial, de Minas Gerais, e Influence Imprensa e Relações Públicas, do Rio Grande do Sul, exatamente para dimensionar o impacto das chamadas mídias sociais, como blogs e redes sociais, na cobertura da imprensa.

Recorrendo à democrática Wikipédia, a definição de um blog parece um tanto fria: “Um weblog, blog ou blogue é uma página da web, cujas atualizações (chamadas posts) são organizadas cronologicamente de forma inversa (como um diário). Estes posts podem ou não pertencer ao mesmo gênero de escrita, referir-se ao mesmo assunto ou ter sido escritos pela mesma pessoa.”

Os blogs são mais do que isso, certamente. São, hoje e já há algum tempo, ferramentas de comunicação utilizadas por indivíduos, comuns ou não, que tornam-se editores e redatores e têm, por vezes, milhares ou milhões de leitores assíduos. No mundo todo, hoje, são 70 milhões de blogs, segundo a Technorati, e a cada dia são publicados 1,5 milhão de posts. É a principal ferramenta da web 2.0 e sua importância tem sido subestimada em alguns casos ou superestimada em outros. A relação das empresas e da imprensa com os blogs ainda está sendo construída. Não há um consenso sobre o papel que eles desempenham na comunicação e como devem ser tratados.

Na nossa pesquisa, a primeira pergunta era: os conteúdos das mídias sociais (blogs, Orkut, Youtube etc.) influenciam a pauta da imprensa brasileira? A resposta de 82% dos jornalistas entrevistados foi positiva. Eles buscam, principalmente, informações que ainda não chegaram à grande imprensa. Ou seja, o furo de reportagem. Entre os interesses dos jornalistas que realizam consultas periódicas às ferramentas, seguem, por ordem de importância, “tendências de comportamento”; “posições pessoais de autoridades/personalidades”; e “personagens para matérias”. Ainda segundo a pesquisa, mais da metade dos jornalistas visita, com regularidade, até cinco blogs, e 34% assinam algum blog, recebendo conteúdo de forma automática. Sobre as redes sociais, 54% dos entrevistados deram nota 3 às informações obtidas em redes sociais (quando poderiam escolher de zero a cinco).

E a empresa? Deve colocar o blogueiro no mesmo patamar de importância de um jornalista de um grande veículo com o qual tem contato há anos? Se um blog fala mal da sua empresa ou do seu produto, é melhor ouvi-lo, dar a sua versão para os fatos, aprender com aqueles posts, fazer uma análise da tendência daqueles comentários. É cada vez maior a integração do SAC 2.0 com a assessoria de comunicação 2.0. Desprezar a voz que vem das mídias sociais é, no mínimo, abrir mão da possibilidade de captar tendências do mercado. Ou ignorar aquela ‘fumacinha’ que pode ser o estopim de uma crise.

Sem dúvida, vivemos uma grande fase de aprendizado, de construção dos relacionamentos via web. Erros e acertos se multiplicarão. Mas o pior caminho é se manter a distância, à margem dessa nova realidade, acreditando que é melhor só participar quando os parâmetros estiverem mais bem definidos. Como se diz por aí, a web é beta e está em permanente mudança. Por isso, é melhor embarcar logo nesse trem.


Fonte: Por Carina Almeida - jornalista e sócia-diretora da Textual Serviços de Comunicação, in www.nosdacomunicacao.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …