Pular para o conteúdo principal

Comunicação mostra o poder do consumidor

O mercado virtual originou muitas mudanças no marketing e na comunicação. Prova disso é que pouco tempo atrás era mais fácil atingir e influenciar o consumidor, enquanto esta comunicação começou a ser muito segmentada. O domínio das mídias tradicionais eram mais eficazes e hoje são milhares de canais de comunicação.

O cenário para as empresas mudou e é cada vez menos comum os canais tradicionais obterem a maior parte dos investimentos de mídia de um anunciante. “Hoje as empresas buscam o melhor canal e caminho para atingir o consumidor”, aponta Flavio Salles, sócio-diretor da Sun-MRM.

O executivo ressalta a mudança no comportamento das lojas em relação ao domínio das mídias por parte de usuários, que hoje podem comprar produtos em lojas que ficam abertas 24h. Para eles não existe mais o horário nobre já que estão em constante movimento e não são mais espectadores passivos como antes. Hoje eles querem saber mais, interagir e participar. Esta, aliás, é a palavra-chave. Participação. “Ele quer dialogar seja pela Internet ou por outros meios. Há uma mudança radical do mundo convencional”, afirma Salles, durante o III Seminário Marketing 360º.

Jornais e músicas transformados em bits
É cada vez mais comum ver as empresas transformando seus átomos em bits. No ano passado, pela primeira vez a Internet ultrapassou as vendas tradicionais de reservas para viagens nos Estados Unidos. Outro dado sobre o avanço da Internet como mídia e como canal de vendas é que no Reino Unido o setor de seguros obteve 39% de compras pela web. Neste mesmo país, os investimentos em mídias on-line neste ano serão superiores que na TV, já que a audiência virtual é maior que na tradicional televisão naquele país.

Talvez a música seja o mercado que teve mais transformações com a chegada da Internet. De acordo com Flavio Salles há uma demora na reinvenção do setor, mas é fato que cresce de forma alucinante a troca de arquivos na Intermet. A mais inovadora ação de uma banda a favor da Internet foi feita recentemente pelo RadioHead. A banda lançou um álbum através do site onde o usuário contribuía com a quantia que ele achasse pertinente. “Ao todo foram 1,2 milhão de álbuns vendidos ao preço medio de U$ 8,00”, diz Salles.

O jornalismo tradicional também está sofrendo o efeito Internet. Não é raro achar blogs sobre informações de assuntos do dia-a-dia. Segundo Salles, hoje a nova CNN são os blogs e explica que o motivo quase sempre é a maior rapidez da web em relação às emissoras. Se podemos confiar ou não, só o tempo vai dizer. Até para desenvolver produtos e serviços, as empresas hoje podem contar com a ajuda dos futuros consumidores. As sugestões são estudadas e se as que forem escolhidas funcionarem, os consumidores ganham dinheiro.

Bem X Mal
A revolução da comunicação com a era digital como principal combustível atingiu o mercado de ações e até a política nos Estados Unidos. “O Youtube promoveu debates e veiculou campanhas políticas. O site recebeu perguntas dos usuários para os candidatos. As mais pertinentes entravam na pauta”, explica o sócio-diretor da Sun-MRM.

O diálogo entre empresa e consumidor é o futuro, baseado no relacionamento com o cliente através de meios digitais. Uma campanha que antes levava sessenta dias para conseguir mensurar, hoje a Internet já mostra resultados uma hora depois do lançamento.

Mas nem tudo são flores para as empresas com a chegada da Internet. Além de facilitar a comunicação com os clientes, a Internet pode destruir uma marca ou produto em questão de segundos. Os blog e sites de relacionamento são uma ferramenta potente tanto para falar bem quanto para falar mal de um serviço, produto ou empresa.

Desde comerciais de automóvel com foco na poluição que ele traz para o planeta até uma página na Internet com a associação de uma companhia de computadores com o inferno. “Dell virou Hell e tem filmes que mostram como abrir um cadeado com uma caneta”, conta Salles. E o executivo completa: “Se informação é poder e a Internet está distribuindo informação, então a Internet está distribuindo poder”. O III Seminário Marketing 360º é patrocinado pela Sun MRM Worldwide, Copernicus Marketing Consulting, Dinamize e TNS Inerscience.


Fonte: Por Thiago Terra, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …