Pular para o conteúdo principal

Contratam-se sorrisos!

Quem nunca teve problemas com cliente que atire a primeira pedra. É praticamente impossível! Qualquer relação tem seus altos e baixos. E o desejo de sair correndo quando surge uma reclamação, sobretudo daquele cliente especialíssimo, que possui a maior conta, é terrível.

Principalmente se a ‘bendita’ reclamação for relacionada à atuação de um funcionário mal-educado ou sem paciência... Ou de um atendimento despreparado. A quantidade de perdas que a falta de vontade e dedicação podem causar à estrutura de uma agência de publicidade ou marketing é terrível. Em casos extremos nem dá mais vontade de sair correndo. A vontade é saltar, de cabeça, do topo de um prédio de 15 andares...

Por definição, agências de marketing, publicidade e afins têm o dever de resolver o problema do cliente. Quanto mais criativa e barata a solução para o problema melhor. Mais bonito. E quem oferece ao cliente o melhor trabalho, o melhor atendimento, e a maior atenção cresce no mercado e tende a conquistar mais clientes. É esse o círculo. E vicioso.

Mas o que fazer para ter uma equipe sempre motivada, amável, especialmente dedicada a atender bem aos nossos clientes, a encantá-los? Muitos investem em treinamento: “Motivação”, “Seja Feliz!”, “Como fazer amigos e influenciar pessoas” e toda essa ventania literária de auto-ajuda que se vê por aí. Mas será que apenas cursos ou treinamentos são suficientes? Sinceramente... Não!

Atender bem não se ensina. É um ato que precisa ser cultivado. Pessoalmente, acredito que é na contratação, no primeiro contato, que o processo tem início. Uma boa contratação, mesmo que inexperiente, pode render muito mais frutos do que o “figurão” com anos de experiência (eu disse “pode!”).

Peca-se muito em acreditar que bons profissionais são apenas os mais experientes. Erro crasso. Em determinados casos, a experiência é um ponto negativo. Em determinados casos, respeito, a experiência vem acompanhada de vícios, manias, maus costumes. E ensinar novamente o bê-á-bá para quem já é letrado (mesmo que esse alguém troque o “r” pelo “l”!) é uma novela inacabável, digo, um martírio.

A boa contratação nunca está focada apenas na técnica. Há alguma coisa nesse ínterim, algo muito pessoal que denominamos “fatores humanos”. Um promotor de vendas bom nem sempre é aquele que está no ramo há anos, conhece bem o produto e tem um rosto de ator italiano. O bom pode ser aquele cujo objetivo de vida esteja voltado para as vendas, sua natureza é alegre e possui espírito empreendedor.

Nos parques da Disney World não são contratados funcionários. Contratam-se sorrisos! Isso mesmo, sorrisos. Só depois da contratação o parque se preocupa em treinar os funcionários. E quem teve o privilégio de visitar o mundo encantado da Disney com certeza foi surpreendido por um sorriso. E, de quebra, pelo show de atendimento e boa vontade dos funcionários. Invejável.

Mas e os profissionais de atendimento? Eles precisam ter perfil, competência e vontade. Só é feliz no trabalho quem gosta do que faz. Muito mais do que experiência, o bom profissional sente amor pela profissão. Esse é o tesouro a ser explorado pelas agências. O tesouro do atendimento que ama o que faz. E o mapa desse tesouro aponta o “X” para o primeiro contato, o momento da entrevista. Qual a índole dessa pessoa? Como ela age no seu dia-a-dia? É amável por natureza? Inteligente? Vale à pena “comprar” esse sorriso?

A semente com certeza está plantada. Cada um procura o jardineiro certo que a cultive e transforme a vontade numa grande árvore de sucesso. Esse é o segredo... Trabalhar com vontade. Não há cliente que reclame.”


Fonte: Por Paulo César Sacheta - Vice-Presidente de Marketing da Work Station Marketing Promocional, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …