Pular para o conteúdo principal

A hora do jogo

A mídia mais quente de 2008 são os games. Porque é território ainda não mapeado. Porque cresce mais rapidamente que internet e celular. Porque todo mundo está jogando. A vovozinha curte seu bridge na web, os marmanjos, pôquer no celular; teens viram a noite em mundos online mais sedutores que Orkut e MySpace juntos. Todos nós gostamos de brincar, e os jogos estão cada vez melhores. Estou metido profissionalmente no mundo dos games desde 1994 — fazendo revistas (inclusive a maior do País, a EGM Brasil), portais e eventos, dando consultoria, promovendo o “Oscar” da indústria brasileira de games (Troféu Gameworld), e por aí vai. Tenho números de sobra para te convencer, amigo.

Começando pelos dados da Entertainment Software Association (ESA), organização que reúne os principais desenvolvedores de jogos eletrônicos dos EUA:

a venda de jogos triplicou nos últimos dez anos;
92% dos compradores de jogos para computador e 80% dos compradores de jogos para console têm mais de 18 anos;
67% dos chefes de família norte-americanos jogam games;
a idade média do jogador é de 33 anos e ele joga há 12 anos;
a idade média do comprador de games mais freqüente é de 38 anos;
36% dos pais e mães jogam games. Destes, 80% costumam jogar com os filhos;
38% dos jogadores são mulheres;
de todos os jogadores, as mulheres representam 31% do total — bem mais que os rapazes com 17 anos ou menos, que são apenas 20% do total;
24% dos norte-americanos com mais de 50 anos jogam games;
49% dos jogadores jogam online pelo menos uma hora por semana;
as mulheres adultas jogam em média 7,4 horas por semana (duas horas a mais que em 2005);
os homens adultos jogam em média 7,6 horas por semana;
34% dos chefes de família jogam games em um aparelho wireless, seja celular, PDA ou console portátil, um crescimento de 20% em relação a 2002.
E mais: é um consumidor qualificado, segundo dados da própria ESA:

79% dos gamers fazem exercícios ou esportes pelo menos 20 horas por mês;
93% lêem livros e jornais regularmente;
62% vão a eventos culturais regularmente, como shows, teatro e visitas a museus;
54% dos gamers adultos têm alto grau de interesse no noticiário político e econômico.
Portais como o IGN.com são as principais mídias para atingir o gamer. Eles têm como assunto principal jogos para o jogador jovem, mas cobrem todo o espectro de entretenimento para esse segmento — música, filmes, TV, internet, moda, tecnologia. O próprio IGN.com é o 35o maior site em audiência nos Estados Unidos, no ranking do Alexa.com. Anunciantes vão de carro e computador a tênis e cerveja. No Brasil, dois bons representantes dessa tendência são o Omelete e o Herói.

As massas se agrupam online: nos mundos dos RPGs massivos (o maior do mundo, World of Warcraft, tem 11 milhões de usuários; no Brasil, jogos como Ragnarok e Cabal reúnem milhões) e nos canais de games dos grandes portais, como MSN Jogos, UOL Jogos e Arena Turbo (iG). E os veículos impressos continuam se multiplicando e se segmentando. Tem revista de game 100% Nintendo, 100% Xbox, para criança, para adulto. Elas têm autoridade em meio aos gamers e prestígio com os anunciantes.

Grandes anunciantes internacionais também estão aumentando radicalmente seus investimentos em mídia utilizando games, ou advergaming. Segundo o Yankee Group, o mercado mundial de publicidade dentro de games (“advergaming above the line”) era de US$ 83,6 milhões em 2004, com projeção para 2009 de US$ 312 milhões e US$ 732 milhões para 2011.

A Massive Incorporated, uma das principais agências de publicidade especializadas em advergaming, recentemente comprada pela Microsoft — que não dá ponto sem nó —, projeta US$ 1,8 bilhão para 2011.

As marcas podem aparecer de qualquer maneira dentro dos jogos — como objetos, itens, banners, numa conversa entre dois personagens, de maneira estática ou exigindo que os jogadores interajam com a marca.

Os jogos eletrônicos conquistam uma posição cada vez mais central na vida das pessoas. Naturalmente, alguns dos maiores anunciantes dos próximos anos virão do segmento de games. O crescimento da Nintendo (84a no ranking de Megabrands da Advertising Age 2008) não se deve somente a produtos fantásticos como o Wii e o DS. Nos EUA, sua verba de publicidade cresceu de US$ 73 milhões para US$ 104 milhões, de 2006 para 2007. Passo os dias conversando sobre serviços de dicas em WAP, conteúdo do usuário em vídeo na net, programa de TV sobre games (e com games) para celulares 3G, e por aí vai. O tão sonhado mundo da convergência finalmente chegou, e eu sei exatamente o que todos nós queremos fazer: brincar.


Fonte: Por André Forastieri - Diretor geral da Futuro Comunicação e diretor editorial da Tambor Digital, in www.meioemensagem.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …