Pular para o conteúdo principal

Quando comunicação interna e externa se misturam

Mudança de comportamento leva tempo, pessoal. Mas quanto tempo? A-ha, essa é a resposta que vale ouro! Estou convencida de que esse tempo depende de algumas variáveis, tais como: disposição do grupo para a mudança, maturidade pessoal, maturidade da empresa e 'fatores climáticos do momento'.

Quando a empresa decide que quer ser líder de um segmento, conquistar novas fatias de mercado, reposicionar o negócio, etc e para isso envolve os funcionários, discute a questão e mobiliza suas pessoas para a ação, há um clima positivo para a mudança. Não quer dizer que seja fácil, mas é mais controlável.

Em outras situações, a crise chega, e só então a empresa se mobiliza. Acontece junto com as demissões, com o aumento da pressão interna e um acúmulo de problemas e tentativas de se encontrar um bode expiatório.

Nesse segundo caso, acontecem coisas de rir e de chorar. Outro dia, uma amiga me contou que um funcionário de vendas ligou pra ela muito preocupado, dizendo que a concorrência estava querendo criar fatos negativos do produto que ele promovia, a partir de uma notícia ruim e sensacionalista que havia saído no jornal daquela manhã. Minha amiga, com o jornal em mãos, perguntou a ele o que mais ele sabia a respeito. Não deu outra: ele explicou a ela que, 'como uma boa jornalista que ela deve ser, ela devia saber que matérias "com borda", são anúncio publicitário'. Entendeu?? Vai explicar que focinho de porco não é tomada...

Ele não se convenceu muito de que era apenas a diagramação do jornal, pois a matéria vinha, inclusive, assinada por uma jornalista...

Ficam algumas lições para todos nós trabalharmos em momentos de crise:

- É imprescindível que a comunicação interna e externa estejam alinhadas. 'Ninguém lê blogs' até o dia que a empresa é malhada em algum deles. Investir em imprensa não é importante até o cliente não querer mais comprar um produto porque ficou com receio dos riscos que ele leu no jornal.

- A área de comunicação precisa ter reputação forte para evitar que todos na empresa tomem a frente da questão e invistam seu tempo em clipagens de jornal e decidam qual a melhor estratégia a tomar do ponto de vista da imprensa. Quando eu falo em comunicação interna estratégica, vai muito além de fazer belos veículos de comunicação. Falo também da nossa competência em deixar claro papel e a responsabilidade sobre a comunicação que é feita pela empresa, independentemente de ser interna, externa, etc.

- Fazer comunicação para funcionários é muito mais complicado em momentos de crise porque as pessoas reagem com mais intensidade e, por fim,

- É preciso, sim, ter muita paciência.


Fonte: Por Viviane Mansi - Gerente de comunicação da Merck Sharp & Dohme, in Blog Comunicação Intena
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …