Pular para o conteúdo principal

Ambição e competitividade do esporte são pilares corporativos

Os desportistas que penduraram as chuteiras para montar sua própria empresa aprenderam com o esporte valores como constância, esforço e ambição. Na Espanha, as finanças são o destino preferido destes atletas do mundo empresarial. Entre os brasileiros, as preferências se dividem em vários setores. Ronaldo Nazário, o Fenômeno, por exemplo, é sócio da academia A! Body Tech, no Rio de Janeiro. O ex-capitão do Internacional, Fernandão abriu em Porto Alegre o restaurante temático Il Calcio. Já Pelé, o rei do futebol, também virou craque fora dos gramados, com uma série de empreendimentos, entre eles uma academia e a Pelé Arena Café & Futebol.

A palavra "atleta" vem do grego "athlos", que significa "competição", e não há disputa maior que o dia-a-dia dos negócios. Este é o principal alento que os atletas que passaram do esporte para os negócios extraíram de sua carreira.

Para Kike Sarasola, jóquei olímpico em três ocasiões e hoje presidente da cadeia hoteleira espanhola Room Mate, as lições aprendidas no esporte são essenciais na condução da rede. "O esporte ensina disciplina, constância e algo muito importante nos negócios: trabalhar com objetivos". O executivo assegura que a experiência esportiva pode ser transferida à empresa, mas com algumas diferenças. "Os objetivos impostos ao esportista são para quatro anos. Na empresa o ritmo é mais rápido".

Na preparação aos Jogos de Atenas em 2004, ele caiu do cavalo e ficou quatro meses parado. Neste momento, decidiu dedicar-se por completo à cadeia hoteleira que preside. "A passagem da hípica aos negócios foi saltar de uma obsessão à outra, à qual você dedica toda a sua energia e tempo."

Desde que fundou o primeiro hotel, em 2005, Sarasola colocou em atividade 17 unidades e tem cinco em processo de abertura, na Espanha e em países como Estados Unidos, México e Argentina. "Tanto no esporte como nos negócios, tem-se de ter ambição", ensina Sarasola, principal acionista da companhia, com 62,8%.

O jóquei aponta outra semelhança entre a competição esportiva e a rotina empresarial. "O esporte é o lugar onde as coisas mudam mais rapidamente. Um dia o indivíduo é o rei porque ganhou e, no dia seguinte, é o último. É uma lição de humildade."

Saúde física e mental
Juan Antonio Samaranch Filho, que diz ter praticado todos os esportes - embora seu preferido seja o pentatlo moderno -, é conselheiro da GBS Finanzas Investcapital, empresa que fundou com Pedro Gómez Baeza, em 1991. "O esporte é fundamental para enfrentar o mundo profissional. Proporciona a você boa saúde física e mental".
Sua experiência mais recente foi a disputa da Maratona de Nova York. "Preparar-se para uma maratona é um grande treinamento, porque estabelece a você um objetivo e é necessária a constância e a tenacidade, como nos negócios, mas corrê-la é um pesadelo".

Samaranch colabora com o United in Sports, fundo de investimento com foco em negócios esportivos, e está aproveitando os Jogos Olímpicos de Pequim para realizar contatos e estudar perspectivas e negócios. O executivo faz uma recomendação aos departamentos de recursos humanos das companhias. "Os esportes em equipe estimulam as relações e o crescimento pessoal, qualidades muito valorizadas no mundo da empresa". Além do mais, prossegue o executivo, "o esporte é uma plataforma para criar pessoas mais capazes".

Um esportista que se destacou tanto nas pistas como no mundo dos negócios foi o ucraniano Sergei Bubka. Especialista em salto com vara, ele ganhou seis mundiais entre 1983 e 1997, além do ouro nos Jogos Olímpicos de Seul em 1988. Nascido em 1963, em Lugansk, Bubka recebeu o prêmio Príncipe das Astúrias dos Esportes em 1991 e, atualmente, preside o Rodovik Bank, da Ucrânia. A instituição financeira conta com uma captação na bolsa de valores de €233,32 milhões e teve receitas líqüidas de €4,33 milhões em 2007.

Já a espanhola Carlota Castrejana é uma atleta polivalente, que compete na modalidade de salto triplo, mas que também disputou - e com êxito - provas de salto em altura e em distância. Antes de se dedicar ao atletismo, Castrejana foi jogadora olímpica de basquete em Barcelona, em 1992.

A atleta combina o trabalho - no escritório de advogados Gómez-Acebo & Pombo, como especialista em Direito Esportivo - com as provas de atletismo. Competiu, por exemplo, no salto triplo em Sydney 2000 e Atenas 2004. Ouro europeu de pista coberta em 2007, em Birmingham (Inglaterra), ela não se classificou nas preliminares de salto triplo em Pequim, no dia 15.

Em todo o mundo, há inúmeros outros casos atletas que, após a carreira esportiva, se dedicaram aos negócios, como o mítico tenista Björn Borg. O sueco de cabelos ruivos, que brilhou em Wimbledon, tem hoje uma cadeia de lojas de roupa esportiva com o seu nome. Já o romeno Ion Tiriac, outro fenômeno do tênis, preside o Banca Tiriac e é um dos homens mais ricos de seu país. Em todos os casos, em vez de medalhas olímpicas, os ex-atletas e hoje executivos correm atrás um outro tipo de ouro.


Fonte: Por Expansión, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 13
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …