Pular para o conteúdo principal

Aprenda a fazer o que deve ser feito

O que tem de ser feito pelos líderes para que os colaboradores entreguem o que a empresa precisa? Essa teria de ser a grande pergunta que os líderes inteligentes deveriam fazer, todos os dias, no início do expediente, para as suas equipes. O princípio da unidade de comando, tão apregoado na administração de Fayol [Henri Fayol, economista cujos estudos têm ênfase na estrutura organizacional], há muito caiu por terra.

Hoje o comando nas grandes corporações é horizontal, não é mais vertical, como antigamente. E o papel do grande líder, antes quase decorativo e baseado no velho modelo de mandar fazer o que ele achava que tinha de ser feito, agora é muito mais o de um ser inspirador. Sua ação visa alinhar os objetivos da empresa com o da equipe, promovendo a interação e convencendo os seus colaboradores sobre o que realmente precisa ser feito.

Engana-se quem pensa que hoje o líder detém o poder de mando. Não é mais seu dever mandar fazer, e sim a sua fundamental missão discutir com a sua equipe o que tem de ser feito para que se garanta o êxito dos objetivos estabelecidos. Líderes desta nova era precisam, acima de tudo, saber vender bem suas idéias para que elas sejam aceitas. E isso implica conhecer seus limites, poderes e atribuições e fazer com que a equipe os conheça melhor do que você mesmo, para poder servi-los.

Este é um excelente ponto de partida para se ter ordens claras com execuções precisas. O maior pecado que um líder pode cometer é se achar líder. As pessoas têm que buscar habilidades e competências de liderança, mas julgar-se poderoso leva à arrogância, e esta, quando não mata, cega. Se por ser ou estar na liderança, penso que mando, acabo de encontrar o atalho para o fracasso. É preciso substituir o mandar pelo conquistar, o determinar pelo pedir, e ainda ser capaz de criar e manter a harmonia na equipe.

Por isso, talvez seja tão desafiador tornar-se líder de fato e com sucesso. Afinal, quando todos estão em harmonia, sabem o que têm de fazer. Mudei minha forma de pensar sobre o poder da liderança no dia em que virei o organograma de cabeça para baixo e coloquei o cliente no topo. Comecei a trabalhar para ele. Aliás, quem na empresa não trabalha para o cliente, deveria trabalhar para quem trabalha com o cliente. No topo da pirâmide, deve aparecer quem está ao lado do cliente. Na seqüência, a diretoria, que trabalha para as unidades de suporte. E, lá, por último, o presidente, que trabalha para a diretoria e empurra os outros até chegarem ao topo, logo ao lado do cliente.

Sem envolvimento não existe comprometimento em nada que fazemos em nossas vidas. E o que isto representa? Deixar o ego do lado de fora, ter consciência de que a vaidade só atrapalha. Ao invés de esperar servirem o café na sua sala, é mais fácil pegar o seu café na máquina da empresa e passear pelos departamentos, conversando e sentindo como as pessoas executam suas tarefas. Assim, você verá que a cobrança é percebida de outra forma. E os resultados serão diferentes. As pessoas não querem lideranças "commoditizadas", querem princípios.

O líder é aquele que tem princípios e valores inspiradores. Que transforma inspiração em ação. O grande líder é o responsável pela entrega dos resultados. Isto é não é delegável. Sozinho ele não entregará nada. Portanto, se quiser ter sucesso como líder, ame as pessoas e pense nelas. Não mande, comande. Esteja com a equipe, para ter a equipe junto com você. E aí, resta alguma dúvida ainda sobre o que precisa ser feito?


Fonte: Por Carlos Alberto Júlio, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 11
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …