Pular para o conteúdo principal

Como fazer jornal-mural

É válido manter um jornal-mural em tempos de comunicação virtual? A partir desta pergunta, o curso “Como fazer jornal-mural” reuniu mais de 30 profissionais de sete estados diferentes na sede da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial em São Paulo/SP, no final de julho de 2008, para ouvir as impressões e as projeções de futuro da jornalista Neusa Ribas no tema.

De “patinho feio” da comunicação, produzido no passado em painéis de feltro ou de cortiça, hoje o jornal-mural foi mostrado com design moderno e atraente, compatível com o visual caprichado dos demais veículos de comunicação interna, chegando a versões eletrônicas em grandes monitores com efeito bastante atrativo e alimentação de dados via internet. Os comunicadores também mudaram sua maneira de vê-lo: de híbrido de quadro de avisos, ele passou a ser percebido como uma mídia imprescindível em qualquer plano de comunicação. Nada menos que 16 pessoas presentes já trabalham cotidianamente com o canal, vindas de empresas como Braskem, Vicunha Têxtil, Arcelor Mitral, CSN, Tribunal de Contas de SP, Cemig, Sadia, Honda, Visanet e Petrobras. “É um canal de comunicação corporativa que traz notícias sobre a empresa e informações relacionadas ao dia-a-dia dos funcionários, obedecendo a um planejamento estratégico e com linha editorial predefinida”, conceitua Neusa.

A argumentação da ministrante, em seus mais de 20 anos de experiência em comunicação empresarial e na direção de empresa notabilizada por ganhar várias distinções na área no Prêmio ABERJE, é de que o jornal-mural é o mais democrático dos veículos internos de comunicação. Acessível a todos os funcionários, independentemente do nível hierárquico, possui papel relevante para aqueles que não podem acessar os terminais eletrônicos, como os operários nas fábricas. Sem contar que, entre suas vantagens, a jornalista cita a possibilidade de cobertura imediata dos acontecimentos a um custo baixo quando comparado com as outras mídias. O treinamento buscou oferecer um passo-a-passo da criação, produção e gestão de murais, ressaltando o seu papel e a sua eficácia na estratégia de comunicação interna, com intensa apresentação de cases, todos finalistas da premiação da entidade de anos anteriores. Desde 2007, a área sofreu modificações de enquadramento e foi aglutinada na categoria “Gestão da Mídia Impressa”.

PARÂMETROS – Na ordem do planejamento, ela indica a escolha do local, a quantidade, o tamanho, o conteúdo, o layout e a definição do processo de gestão. Os pontos de fixação são cruciais para garantir a acessibilidade e bom fluxo de pessoas, sem interferência na circulação, além da iluminação adequada e do ambiente de entorno agradável para estimular a parada e a leitura. Entre os locais recomendados estariam saídas de refeitório e suas imediações, copas ou áreas de café, salas de convivência e lazer e ainda portas ou portões de entrada exclusivos para funcionários. “É preciso pensar que o canal pode conter assuntos de crise, e os pontos não podem dar acesso a pessoas externas”, alerta a especialista.

O grande nó em jornal-mural é a periodicidade. A sugestão é uma freqüência semanal de atualização, mas podendo compartimentar uma parte semanal e outra diária, ou combinações semelhantes. Também é possível estabelecer um espaço identificado para eventuais notícias urgentes. A vacância de um dia, espaço entre retirada e recolocação de materiais, é uma estratégia interessante para demarcar a renovação e criar expectativa. De toda maneira, a perspectiva sempre parte do princípio da agilidade e flexibilidade. “Se aconteceu, é urgente, é importante, não segure a informação pra outra semana, e sinalize a novidade”, acrescenta.

Quanto à fixação de materiais, deve seguir a lógica da leitura, da esquerda para a direita com os assuntos mais importantes pela ordem, iniciando pelo institucional e, normalmente, finalizando com temas de entretenimento cultural e esportivo. Ainda assim, se desejado outro fluxo, pode ser feita numeração das lâminas. Neusa registra que, ao se coletar internamente sugestões de pauta, é interessante a atribuição de autoria ou participação no rodapé da página. A montagem de uma rede de correspondentes, aliás, é uma decisão relevante no gerenciamento, sendo que é indicado um treinamento prévio para desempenho da função, com o trâmite de observação, coleta e repasse de dados, com uma rede respectiva de substitutos para situações de afastamento por demissão ou férias do titular. Em ambos os casos, sugere-se um programa de reconhecimento, na forma de oferta de cursos, bottons diferenciadores no crachá, brindes especiais, eventos festivos exclusivos, e ainda um sistema de revezamento.

A palestrante defende a escolha de um nome para o jornal-mural, com identidade própria e possibilidade de menção do canal entre os funcionários, gerando memorização. Não raro, em pesquisas de avaliação de veículos, a equipe nem sabe o que é o termo, embora possa fazer sua leitura periódica. As dicas foram complementadas por sugestões de tamanho, distância do piso, distância entre páginas coladas, corpo de letra de títulos e textos, formato de ilustrações e estilo de conteúdo, e ainda os materiais típicos para construção do mural e utensílios extras agregados ao espaço, como urna de sugestões, take-one para folhetos, bancada para exposição de produtos ou lançamentos e até baleiros.


As Seis Regras do Jornal-Mural, segundo Neusa Ribas
1. ter data regular
2. estar bem localizado
3. ser bem escrito
4. ser fácil de ler
5. ser bem diagramado
6. ser atraente


Fonte: Por Rodrigo Cogo - gerenciador do Portal Mundo RP
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …