Pular para o conteúdo principal

Decisões devem ser rápidas e precisas

Os executivos de hoje devem ser ágeis e precisos na tomada de decisões. Da mesma forma que o dinamismo do mercado exige respostas rápidas, é proibido aos gestores cometer erros. Afinal, na velocidade que as situações se sucedem, é impraticável ter de refazer algo no mundo dos negócios. Estes são alguns conceitos de Mark Gottfredson, sócio da consultoria empresarial Bain & Company e especialista em melhoria do desempenho corporativo, que há alguns dias proferiu palestra para um grupo de executivos e empresários em São Paulo.

A apresentação abordou o tema "Administração de alto impacto – Como os melhores gestores alcançam resultados extraordinários". Segundo Gottfredson, no mercado atual, competitivo e extremamente agressivo, só sobrevivem aquelas empresas dispostas a se reinventar e, permanentemente, buscar atualização para continuar almejando desempenhos positivos. Por isso, as corporações procuram, cada vez mais, preencher suas posições estratégicas com executivos capazes de trazer resultados cada vez melhores. Já os gestores que não obtêm progressos expressivos estão sempre sujeitos às intempéries do mercado.

Conforme o especialista o que os executivos enxergam é a pressão do dia-a-dia, percebendo que o tempo está cada vez mais restrito. "O que funcionava há dez anos, não se aplica à nova realidade. Ou seja, o que antes era prática e norma, agora não funciona mais."

Por tudo isso, diz Gottfredson, é imperativo criar novos mecanismos e ações mais eficazes de gestão. "Em um mundo tão competitivo, buscar soluções que tragam retornos grandiosos é o que toda empresa sonha e almeja", afirmou o consultor, que em sua palestra falou sobre como as empresas podem obter lucro rapidamente e sustentar as curvas de crescimento por mais tempo.

Gottfredson mencionou como exemplo a gigante fotográfica Polaroid. Com a chegada da era digital, a organização presidida por Gary Dicamillo não evoluiu, patinou, emperrou na hora de desenvolver novos produtos e negócios. Assim, quando Dicamillo percebeu, a companhia já estava às portas da falência. Em 2005, a empresa foi comprada pela Petters Consumer Brands.

Regras do jogo corporativo
Para Gottfredson, algumas regras são fundamentais para se obter os "resultados extraordinários" anunciados como tema da palestra. Em primeiro lugar, os executivos devem saber que "os custos e preços sempre caem". Caso uma empresa não esteja atenta a esta norma, provavelmente uma de suas concorrentes o fará, derrubando preços e colocando-se à frente na disputa pelo mercado - ao menos no quesito preço.
A segundo regra diz que a posição competitiva determina as ações a serem tomadas pela empresa. Assim, a companhia precisa saber em que ponto está posicionada no mercado, para depois planejar onde pretende chegar.

O executivo também deve saber que a simplicidade traz resultados. Organizações que desenvolvem vários produtos e aumentam seus custos confundem os seus consumidores. Da mesma forma, empresas que têm vários níveis de gestão, em sua maioria, são incapazes de decidir com rapidez. "Não importa a sua posição ou se é um gestor de uma pequena, média ou grande empresa", afirma Gottfredson. "Está em suas mãos o rumo dos negócios, identificar qual a posição da organização, o que fazer para chegar lá e como atingir resultados mais expressivos", adverte.

Conforme Gottfredson, o fator determinante da carreira de um executivo está na busca do resultado. "Se o lucro vier rápido, acompanhado de segurança, melhor", acentua. "O ponto crucial é de como atingir o objetivo. Um erro primário pode ser "fatal" na sua trajetória profissional."

Conforme pesquisa realizada pela Bain & Company nos Estados Unidos, o tempo médio de um gestor de empresa caiu 20% desde 1998. Em 2006, 40% dos gestores ficaram menos de dois anos no cargo. Segundo Gottfredson, embora os dados tenham sido coletados nos Estados Unidos, essa mesma percepção se aplica também ao mercado brasileiro.O consultor diz que, à frente da empresa, os executivos precisam mostrar resultados nos primeiros dois anos. "Nestes casos, sua longevidade será enorme. "Segundo Gottfredson, cada vez mais os grupos empresariais querem resultados em curtos espaços de tempo. E o executivo que não perceber e se adaptar a essa tendência estará fadado ao fracasso.


Fonte: Por Márcia Maria da Silva, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 11
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …