Pular para o conteúdo principal

A Estratégia do Oceano azul

Desta vez foi Renné Maubourgne, uma das cabeças pensantes da estratégia do Oceano Azul, quem falou para os participantes do Fórum Mundial de Estratégia HSM sobre como pensou e definiu, em parceria com W. Chan Kim, um dos conceitos de maior sucesso dos últimos anos no mundo dos negócios.Best-seller pelo The Wall Street Journal, Business Week, The New York Times e muitas outras publicações Mundiais, sua obra alcançou o status de National Best-Seller e foi traduzida para 29 idiomas, quebrando o recorde histórico das demais publicações da Harvard Business School Publishing.

Para entender um pouco do que fala sua teoria, é preciso pensar nos negócios como sendo possíveis em dois oceanos: um azul e outro vermelho. Os oceanos vermelhos representam todos os setores existentes – o espaço de mercado conhecido. Aqui as empresas tentam superar as rivais para abocanhar uma fatia maior da demanda existente. A idéia da cor nasceu porque, com uma competição tão acirrada, cada um age como um “tubarão” e as águas se tornam sangrentas e reduzem-se as expectativas de lucros e crescimento. Já os oceanos azuis, em contraste, denotam todos os setores não existentes hoje – é o espaço de mercado desconhecido, intocado pela competição. Em vez de retalhar a demanda existente, a estratégia do oceano azul visa criar demanda e valer-se das amplas oportunidades de crescimento rápido e lucrativo.

Tudo o que é preciso para entrar no oceano azul é identificar uma possível demanda e criá-la, em vez de disputá-la com a concorrência. Mas Renné explicou que a situação para as economias dos países estão numa forte maré de oceanos vermelhos. Toda a crise nos Estados Unidos, a valorização do Euro e a competição dos mercados da Europa ocidental com os da oriental e uma busca dos chineses por algo mais a oferecer do que preço, são alguns exemplos.

“Para as empresas daqui do Brasil e de outros lugares do mundo, eu peço que se façam as seguintes perguntas: como vamos criar novas marcas globais? Elas terão baixo custo? Conseguirão competir com os preços de outros lugares? É isso que deve ser a ambição dos CEOs”, disse. “A verdade é que o Oceano Azul ocorre para aquele que olha a mesma coisa que seus concorrentes, mas enxerga diferente”.


Fonte: Portal HSM On-line
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …