Pular para o conteúdo principal

Francisco Gracioso: Não há santo milagreiro

Ninguém ignora que é cada vez maior a pressão exercida sobre os executivos das empresas, CEOs em particular, para que consigam resultados cada vez melhores. Essa pressão vem geralmente dos acionistas controladores e torna-se ainda pior no caso das empresas de capital aberto. Na verdade, um alto valor de mercado é a melhor barreira contra um takeover hostil.

No entanto, o que ninguém imaginava é que essa pressão sobre os CEOs acabasse se transferindo para o bode expiatório tradicional: o diretor de marketing. A consultoria Booz & Co. nos ajuda a entender melhor a questão por meio das pesquisas de permanência média nos cargos que realiza constantemente nos Estados Unidos. Nos últimos dez anos, o tempo médio de permanência do CEO em seu cargo, nas grandes empresas americanas, caiu pela metade e hoje é pouco superior a quatro anos. Mais recentemente, a própria Booz & Co. realizou uma pesquisa entre as 15 maiores empresas americanas e descobriu que o prazo médio de permanência dos diretores de marketing não passa agora de 2,5 anos.

Também entre nós as pressões não param de crescer. Sabemos de vários casos de reestruturação de departamentos inteiros de marketing ocorridos nos últimos anos. Na verdade, as metas de performance estão ficando cada vez mais rígidas e servem como base dos bônus anuais. Em um caso recente, toda a diretoria de uma grande empresa foi punida por ter ficado 0,5% abaixo do market share médio estabelecido para o ano.

Muitas empresas continuam a acreditar que o marketing é capaz de encurtar distâncias e remover montanhas, como dizia um anúncio da Ford. Esquecem-se de que os concorrentes também fazem marketing cada vez melhor e isso resulta em uma situação de equilíbrio entre todos. A empresa não pode mais esperar ganhos importantes de market share apenas por meio de suas ações de marketing. Isso é verdade em muitos setores altamente competitivos, como os de serviços financeiros, bebidas alcoólicas, alimentos, produtos de limpeza, automóveis e muitos outros. Cada vez mais, nesses e noutros setores, os objetivos de marketing deveriam priorizar os resultados financeiros e não ganhos de market share.

As estratégias de marketing continuam a ser as mais recomendadas para se obter boa rentabilidade, mas, para se conseguir mudanças drásticas de market share, outras estratégias devem ser utilizadas, como as de tecnologia exclusiva, alavancagem financeira e as de acesso privilegiado. Um exemplo clássico dessas últimas é o caso da Fiat, que obteve do presidente Collor a promessa de benefícios fiscais para os motores abaixo de mil cilindradas. Quando o decreto foi assinado, só a Fiat estava pronta para se beneficiar dele, e ganhou uma vantagem de três anos sobre seus concorrentes.

Moral da história: na razão direta do nível de competição do mercado, as estratégias de marketing já não são capazes de garantir, sozinhas, (1) a otimização dos lucros a longo prazo e (2) a perenidade da empresa.


Fonte: Por Francisco Gracioso - atual conselheiro e ex-presidente da ESPM, in epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …