Pular para o conteúdo principal

Métricas do e-mail marketing: elas dizem mais do que você pensa

Todos os dias, falo com vários profissionais de marketing e tecnologia de empresas de todo o Brasil que usam o e-mail marketing como ferramenta de prospecção, relacionamento, marketing institucional, entre tantos outros usos dessa poderosa mídia. Percebo que, em muitos casos, é necessário orientá-los para que façam melhor uso das métricas que suas ferramentas oferecem. É preciso enxergar além do óbvio.

Inadvertidamente, muitos profissionais vêem esses relatórios simplesmente como um meio de saber ‘quem recebeu ou não o e-mail’ ou, simplesmente, para ter ciência sobre qual o link mais clicado em sua campanha – isso quando lêem algum relatório.

Mesmo para aqueles que buscam olhar todos os gráficos e todas as planilhas, em alguns casos, os dados realmente relevantes – aqueles que permitirão gerar informações diferenciadas e ações estratégicas mais adequadas – passam sem ser notados. Falta ‘ler nas entrelinhas’ desses dados.

Saber que um link foi o mais clicado é realmente importante. E com relação àquele que foi pouco clicado, mas que teve uma incidência de repetições relevante? O assunto ou produto seria altamente atraente para um segmento de sua base? Será que a mensagem foi encaminhada para outros destinatários com perfil semelhante? Esses encaminhamentos geraram mais pedidos de opt-in no site? Talvez esse grupo mereça ação específica, como o desconto para aquisição de um produto ou a matrícula no congresso oferecido. Um telefonema, caso a inscrição não tenha sido concluída? O importante é não deixar essa informação passar em branco, pois aí está a oportunidade.

Dados que não parecem atraentes a princípio, como o desempenho de sua campanha em termos de velocidade de entrega, também podem ser estratégicos. Se a campanha tem entrega rápida e boa receptividade, suas ações podem ser planejadas para horários cada vez mais próximos da média de leitura de suas mensagens, evitando a competição com spams e mensagens de concorrentes na caixa de entrada do destinatário. A “velocidade é a essência” (Sun Tzu).

E não somente do destinatário falam as métricas. Elas são extremamente úteis quando o assunto abordado são as parcerias. Assim como nos sites, o e-mail marketing pode ser muito lucrativo se as parcerias certas forem realizadas no momento oportuno. O varejo digital de material esportivo, por exemplo, pode dar mais destaque a esta ou àquela marca, uma vez que o ‘ponto nobre’ seja negociado com os fornecedores. As métricas dão poder de barganha ao negociador, que pode comprovar o que antes ficava no campo da especulação. Descontos nos lotes comprados ou mesmo o patrocínio do envio da campanha tornam o investimento nessa mídia ainda mais lucrativo.

Para isso, busque uma ferramenta que tenha muitos recursos para métricas e seja comprovadamente confiável e de boa reputação no mercado. Converse com especialistas e peça explicações. Informação nunca é demais. Citando mais uma vez o mestre Sun Tzu: “Aquele que conhece o inimigo e a si mesmo, ainda que enfrente cem batalhas, jamais correrá perigo. Aquele que não conhece o inimigo, mas conhece a si mesmo, às vezes ganha, às vezes perde. Aquele que não conhece nem o inimigo e nem a si mesmo, está fadado ao fracasso e correrá perigo em todas as batalhas.”

As métricas dizem muito a respeito de todos os envolvidos no processo. Do criador ao destinatário. Do stakeholder ao fornecedor. E, quanto mais, melhor. Usar todas as possibilidades da sua plataforma de gerenciamento e agregar ainda mais informação com outras ferramentas, como o poderoso Google Analytics, traz só benefícios. É um suporte estratégico e vital para ações de nível tático e operacional.

Dizem que é preciso ver a floresta e também as árvores. Vou além. É preciso ver o pólen que florescerá novos negócios para você. Bom envio!



Fonte: Por Rodrigo Gonçalves - gerente comercial da Mailsender Tecnologia, in www.nosdacomunicacao.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …