Pular para o conteúdo principal

O preço do silêncio das corporações

Essa é uma questão que nós, da comunicação corporativa, temos de enfrentar com muita freqüência. É claro que cada caso é um caso e que o bom senso e a experiência têm um papel fundamental na hora de aconselhar o cliente. Mas, como diz Eduardo Giannetti em seu livro O valor do amanhã, as escolhas feitas hoje estarão traduzidas nos juros que pagaremos amanhã. De qualquer forma, precisaremos pagar os juros. Não há decisão sem um preço a pagar.

Temos de imaginar os cenários possíveis de cada decisão e os resultados prováveis advindos de cada uma delas. Assim, teremos uma fotografia aproximada das futuras situações possíveis e do preço que teremos de bancar. Isso ajudará na tomada de decisão, considerando a relação custo-benefício.

Na revista Exame, em matéria interessante escrita por Denise Dweck sobre a sucessão de Steve Jobs, essa questão fica clara. Steve Jobs, o homem que encarna a Apple como criador, fundador e presidente, tem movimentado o mercado de ações menos por seus recentes lançamentos de novos produtos e mais por seu suposto estado físico. Considerado um homem centralizador, brilhante e insubstituível, Jobs tem tido muita dificuldade em lidar com as especulações sobre seu estado de saúde recente, depois de suas últimas aparições portando uma magreza impressionante, além do novo produto a ser lançado.

Há quatro anos, Jobs teve um câncer de pâncreas que só foi revelado aos acionistas, funcionários e ao mercado depois de nove meses de absoluto segredo. Só se tornou público quando não tinha outro jeito. O mercado já estava vacinado por essa mania de a empresa de Jobs se portar diante da decisão de se abrir ou se fechar em segredos para o mundo. Aparentemente, ela só se abre quando é de seu inteiro interesse e vontade, ignorando a via de mão dupla que tem valido no mundo globalizado e ligado em rede. Bem, é uma decisão da empresa que devemos respeitar. Mas, como dissemos antes, ela tem um preço.

Sabemos que na comunicação não há espaços vazios. Ou você os ocupa falando sobre sua empresa, ou alguém fará isso em seu lugar. E esse “alguém” geralmente é o concorrente. Pois bem, com seu silêncio e o silêncio de sua empresa, Jobs deixou espaço vazio para a especulação e as fofocas. Chamada para dar explicações sobre o estado de saúde de seu chefe, a Apple ignorou os apelos e optou, de novo, pelo silêncio. Conseqüência: as ações da Apple chegaram a cair 12% no dia seguinte à última aparição pública do homem-chave da empresa. Isso, a lado do fato de Jobs não ter (aparentemente) se preocupado em preparar um sucessor, como fez Bill Gates inteligentemente, marca o início dos altos juros que a Apple terá de pagar por ter optado pela política do silêncio.

Como diz a matéria de Dweck, “não existem leis específicas sobre quais informações uma empresa deve divulgar sobre o estado de saúde de seu presidente. Mas a boa governança sugere que se comuniquem problemas que afetam seu trabalho”.


Fonte: Por Yara Peres - sócia e vice-presidente do Grupo CDN, in www.blogdayara.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …