Pular para o conteúdo principal

Rádio Peão: Você já soube da última?

Radiocorredor. ‘Rádio peão’. Boato. Quantos nomes terá o ‘disse-me-disse’ institucional? Seja qual for, saiba que nenhuma empresa escapa dessa força da natureza, que começa como uma simples poeirinha e acaba se transformando numa nuvem, para alguns, às vezes, assustadora.

Vejo pelo lado positivo a fofoca organizacional (esse é o meu nome preferido). Primeiro, porque obriga os líderes a saberem guardar, sob sete chaves, informações estratégicas que realmente não podem, durante algum tempo, ser conhecidas por todos. A questão aqui é simples: eles têm de estar preparados para o silêncio temporário. Se deixam algo escapar, é porque não era tão sigiloso assim ou porque precisam urgentemente fazer o treinamento milenar ‘em boca fechada não entra mosquito’.

Segundo, porque a fofoca institucional sinaliza o interesse verdadeiro dos fofoqueiros de plantão pela empresa, o que é muito bom. Falam porque se interessam pelo assunto e porque querem compartilhar o conhecimento. Acho saudável. Na grande maioria das vezes, reproduzem literalmente o que ouvem – o efeito ‘telefone sem fio’, que, cá para nós, não é culpa deles. A distorção ou o aumento nas informações colhidas fica por conta de quem não é profissional do ramo: aquele que recebe o conteúdo do fofoqueiro oficial e, sem talento ou competência, faz da fofoca fresquinha, verdadeira, um Frankstein, rejeitado pelo seu criador. Um fofoqueiro genuíno respeita muito suas fontes, sendo-lhes sempre fiel.

O que quero dizer é que devemos estar atentos aos fofoqueiros saudáveis. Eles prestam um serviço, e não um desserviço, às organizações. Se algo não é para ser conhecido, que não seja dito em hora nenhuma. Se a notícia chega aos ouvidos dos fofoqueiros saudáveis, o papel deles é passar adiante. Está no sangue. Nas companhias onde trabalho, sempre gosto de identificá-los e, secretamente, contar com seu apoio, por exemplo, numa nova campanha interna. É só chegar perto, como quem não quer nada, e soltar: “Você já soube da última?”. E aí revelar o que, naquele momento, é conveniente. Os fofoqueiros saudáveis são verdadeiros ‘teasers’ ambulantes.

“Quem não deve, não teme”, já dizia minha santa avó. Para ela, segredo só se conta para Deus. Se as empresas têm segredos – muitas vezes necessários –, está mais do que na hora de seus gestores saberem ser deuses e deixar os fofoqueiros saudáveis fazerem seu trabalho em paz, quando lhes for solicitado.


Fonte: Por Jacinto Corrêa - chefe do Centro de Comunicação Corporativa do Senac Nacional, in www.nosdacomunicacao.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …