Pular para o conteúdo principal

Ambev é a campeã no quesito liderança

A Volvo é a melhor empresa para os profissionais no Brasil, conforme a edição deste ano do "Guia Você S/A - Exame - Melhores Empresas para Você Trabalhar". O ranking, divulgado ontem à noite, em São Paulo, foi desenvolvido em parceria com a Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo (FIA/USP). A Chemtech, primeira colocada em outro ranking de melhores companhias, anunciado em agosto pela consultoria Great Place to Work, aparece em segundo lugar na lista publicada ontem.

O estudo também premiou empresas que obtiveram melhor colocação em oito categorias. Embora tenha sido recentemente julgada e condenada por práticas pouco ortodoxas de gestão de pessoas, a Ambev foi escolhida a melhor companhia no quesito desenvolvimento e liderança. A empresa, que em junho passado foi condenada a pagar uma indenização de R$ 10 mil a um ex-funcionário por danos morais, já havia sido condenada, em 2006, a compensar seus vendedores em R$ 1 milhão por assédio moral.

De acordo com o gerente executivo de gente e gestão da Ambev, José Roberto Daniello, a empresa se esforça em identificar os desvios da sua cultura e desligar os responsáveis. "Nem sempre é possível se comunicar com 22 mil funcionários sem ruído", justifica. "Quando identificamos casos como esses, procuramos entender o que aconteceu. Se a pessoa não está alinhada à nossa cultura, ela é desligada", assegura Daniello. Na mesma linha, a assessoria de imprensa da companhia argumenta que as sentenças judiciais recentes se referem a ocorrências antigas.

Segundo um dos coordenadores técnicos da pesquisa, André Fischer, que também coordena o MBA de Recursos Humanos da FIA/USP, o estudo é feito em quatro etapas: coleta de dados sobre as práticas de recursos humanos junto à empresa, questionário com os funcionários sobre o clima organizacional, relatório da companhia mostrando suas práticas de gestão e visita de jornalistas à organização. Essa estrutura torna difícil que práticas pouco éticas de gestão não apareçam nos resultados. "Além disso, temos canais de comunicação [internet e telefone] direta com os funcionários", menciona Fischer. "Eles podem fazer denúncias. Pelo menos duas empresas que foram desclassificadas por meio desse sistema", revela.

Fischer diz que os questionários respondidos por funcionários incluem perguntas específicas sobre assédio e discriminação. Além disso, os dados levantados junto aos profissionais correspondem a 80% do resultado final.

Conforme Daniello, da Ambev, o esforço da companhia em direção às melhores práticas de gestão de pessoas vem sendo construído desde a criação do seu programa de trainee, há 14 anos. Além da captação, a empresa também procura segurar seus talentos. "A meritocracia é muito forte na Ambev. Isso gera uma retenção enorme", diz.

Uma das estratégias nesse sentido é preparar as pessoas para determinados cargos com antecedência. Para isso, a companhia criou o Programa de Sucessores. "É uma espécie de banco de talentos interno", afirma Daniello. Outro destaque da empresa no quesito desenvolvimento é a Universidade Ambev, que em 2007 foi responsável pelo treinamento de 18 mil pessoas e contou com um total de investimento de R$ 13,4 milhões. "A combinação de retenção, sucessão e treinamento é o segredo do sucesso da nossa gestão", comemora.

Meio milhão de funcionários
Em 2008, 550 empresas disputaram um lugar no ranking. Cerca de 143 mil pessoas responderam ao levantamento. Além disso, 220 organizações pré-classificadas receberam visitas de jornalistas. As 150 empresas em entraram na classificação geral empregam, juntas, cerca de 512 mil funcionários.

Além da Ambev, as premiadas por categoria foram Banco Real ( remuneração), Accenture (carreira), Randon (cidadania empresarial), Eurofarma (saúde) e CPFL (estratégia e gestão). O Itaú recebeu a premiação especial Desafio de RH.

Segundo a editora do Guia, Daniela Diniz, o levantamento deste ano identificou que as empresas estão aplicando, cada vez mais, práticas de gestão sofisticadas. "Há maior interesse com o desenvolvimento dos funcionários, não apenas com o assistencialismo", afirma Daniela. "Desenvolvimento foi a categoria que mais evoluiu em relação ao ano passado. Isso significa mais programas de treinamento e educação, mais parcerias com universidades e a realização de MBAs in company."

Prova disso, segundo ela, é a elevação do Índice de Qualidade na Gestão de Pessoas (IQGP). "Esse aumento indica que existe um grupo de empresas com práticas sofisticadas, o que torna cada vez mais difícil a entrada de novas organizações na lista", explica Daniela. "Isso fez com que a nota de corte, que foi 74 em 2007, subisse para 75,4 este ano." Já o Índice de Qualidade no Ambiente de Trabalho (IQAT), que mede a satisfação dos funcionários com a empresa, manteve-se no mesmo patamar de 2007.

Melhores e melhores
Há outros estudos no mercado sobre melhores empresas para trabalhar, como o divulgado pela consultoria Great Place to Work. Porém, as metodologias são diferentes. Por isso, podem revelar aspectos distintos sobre a gestão de pessoas e o ambiente profissional das companhias pesquisadas.

Segundo Fischer, o Guia Você S/A - Exame tem uma metodologia genuinamente nacional, adaptada à realidade empresarial local. Além disso, ele ressalta como diferencial do estudo o chamado Book de Evidências, um dossiê, com documentos, fotos e resultados que comprovam a abrangência e a consistência dos programas corporativos.


Fonte: Por João Paulo Freitas, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 11
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …