Pular para o conteúdo principal

Co-Criação da Estratégia

A co-criação é um paradigma emergente de inovação e sua prática já pode ser observada em diversas empresas. A co-criação trata basicamente de como as empresas podem ser inovadoras fazendo das interação entre as empresas e seus clientes uma experiência única. Adotada com êxito por organizações tão diferentes como Nokia, Nike, Apple e Credit Agricole, a co-criação é o tema principal do próximo livro de Venkat Ramaswamy “Co-Creating Strategy., que será lançado no início de 2009 pela Harvard Business School Press. Venkat escreveu em 2002 com C.K.Prahalad o best seller “O Futuro da Competição” (editora Campus). No Brasil, organizações como a seguradora Real Tokyo Marine, Camiseteria, Petroflex e Senai são praticantes da co-criação.

Porque a co-criação? Em primeiro lugar, nós executivos podemos às vezes nos perguntar se existe algo tão poderoso quanto um processo inclusivo de formulação da estratégia...? O fato é que nosso cliente está hoje em dia mais informado, mais conectado e mais ativo do que nunca, graças à transparência criada pela Internet, pelos diversos meios de comunicação e pelas tecnologias de interação social. Outra constatação é que os produtos e serviços podem ser rapidamente imitados pela concorrência e já sabemos que a “commoditização” acelerada dos produtos compromete seriamente a fidelidade de nosos clientes. No futuro, as empresas que não envolverem o cliente na co-criação de suas estratégias correm o risco de perdê-los. A co-criação recoloca as necessidades e desejos do cliente em uma posição central— e junto com estes clientes, as empresas criam os meios adequados para que as empresas possam efetivamente satisfazê-los, criando experiências únicas.

A co-criação pode assumir várias formas. A Google, por exemplo, co-cria com as comunidades de clientes: uma rede mundial de amigos de seus próprios funcionários contribui diariamente com idéias para novos serviços da Google na web. Dell, Starbucks e Boeing estimulam seus clientes e usuários finais a enviar idéias e conceitos novos que possam aprimorar suas experiências com estas empresas.

A co-criação tem 3 princípios fundamentais...

1. As “experiências” dos indivíduos. Devemos ir além da oferta de produtos e serviços e enxergar como nossos clientes vivenciam experiências verdadeiras e significativas com nossas empresas.

2. Devemos ir além dos ”processos”, na direção das interações. Se começarmos a trabalhar com as experiências, o foco principal deixa de ser o “processo” (unidirecional por definição, de “dentro para fora” das empresas) e passa a ser a “interação” (uma via de mão dupla, de “fora para dentro”) entre o cliente como “indivíduos” e as empresas. Para fazer esta mudança na direção da interação e das experiências, utilizamos o D.A.R.T:

• Diálogo: como podemos criar um canal de comunicação bilateral entre os indivíduos e as empresa com objetivo de promover uma relação ganha-ganha para ambos os lados (clientes e empresa)?

• Acesso: como possibilitar acesso a informações, conhecimentos e ferramentas que promovem o diálogo e que permitam a co-criação efetiva de valor?

• Risco-Retorno: como apoiar os clientes (indivíduos) e a empresa a entender e equilibrar a relação risco-retorno das interações e assim gerar benefícios econômicos para ambos?

• Transparência: como criar transparência nestas interações e criar um sentimento de abertura e confiança de ambos os lados

3. Devemos envolver e engajar o cliente. a criação de capabilidades para a co-criação exige das empresas o envolvimento e engajamento de indivíduos, inicialmente dos colaboradores em contato direto com o cliente, extendendo para os próprios clientes e em seguida para outras partes interessadas. Ao conduzir um processo de formulação de estratégia de forma “co-criada”, as empresas poderáo construir propostas de valor aos seus clientes baseadas na experiência e irem muito além dos produtos e serviços.

A implementação da co-criação é um processo replicável que pode ser utilizado de maneira sistemática, ou seja, a estratégia se torna um processo contínuo de engajamento coletivo dos clientes e partes interessadas na descoberta de novas oportunidades. Como começar? Basta “se abrir” para a co-criação...um segmento de negócio, uma linha de produto ou serviço, um processo de negócio ou a própria estratégia do negócio!

A co-criação é um meio e um fim para a criação de mudanças nas empresas. Um meio, pois envolve os colaboradores das empresas, os clientes e as partes interessadas do negócio (um processo co-criativo de formulação da estratégia). Um fim, por gerar experiências únicas e co-criadas com os clientes.

Implantar a co-criação é uma poderosa abordagem para a inovação, para a busca de vantagens competitivas e para a sustentação de crescimento e geração de valor para os negócios.



Fonte: Por André Ribeiro Coutinho, in www.symnetics.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …