Pular para o conteúdo principal

Como integrar mercadologia com etnografia

As estratégias mercadológicas e a intersecção com os estudos etnográficos foi o tema da segunda parte de treinamento organizado pelo Comitê de Pesquisa da Associação Brasileira de Anunciantes (www.aba.com.br) no dia 28 de agosto de 2008 em sua sede em São Paulo/SP. As experiências do contratante Nestlé e suas aplicações reais de dados coletados no processo e ainda do Ibope Inteligência mostraram a efetividade da aproximação.

É preciso captar o rotineiro e o imponderável, não só o excepcional, sobremaneira porque algumas ações estão automatizadas e nem conseguem ser identificadas ou verbalizadas pelas pessoas. Com esta perspectiva, a diretora executiva de Atendimento e Planejamento do Ibope Inteligência, Laure Castelnau, falou do Círculo Etnográfico, este movimento de entrar na vida de alguém, tornar-se invisível e não ter envolvimento exagerado para captar detalhes e sensações relevantes que respondam aos objetivos da pesquisa.

Ela comenta que há uma intensa preparação do time observador com definição de papéis, postura ética e limites antes de ir ao campo para entrevista, observações e registros. Durante o processo, após cada visita, ela indica fazer uma pré-análise com troca de experiências, o que embasa o workshop final. Normalmente, não há identificação do contratante e a pontualidade é um ponto crucial, com pesquisadores vestidos com roupas adequadas ao perfil do estudado. É conveniente ter uma abordagem aproximativa com a pessoa, minimizando ansiedades e distanciamentos para dar maior fluidez ao processo. O sistema, por vezes, envolve mais de um pesquisador, podendo ser um especialista e um representante do cliente. O acompanhante ajuda a cobrir pontos esquecidos, colaborar com ganchos e controlar o tempo, afora fazer fotografias e até filmagens, além de registros escritos. São anotadas frases do entrevistado, dúvidas, pensamentos e análise de ambiente e clima, seguindo a trilogia “o que viu, ouviu e percebeu”.

Com as anotações, aplica-se uma codificação como feita sobre as transcrições da pesquisa qualitativa de grupos, selecionando frases e percepções semelhantes e/ou inusitadas. Na análise, os resultados não são lineares, mas subsidiam inovações e insights e definem padrões e tendências. De toda maneira, Laure indica que a subjetividade esteja presente, porque é um instrumento do pesquisador, em quem se deve de fato confiar. Tudo é consolidado num relatório com participação de todos os agentes. “É preciso agregar aprendizado à vivência, e o workshop final precisa ter foco”, finaliza.

PRÁTICA - Como proposta de crescer agressivamente no mercado de baixa renda nos próximos cinco anos, aprofundando conhecimento e entendimento deste público para subsidiar diretrizes estratégicas, a Nestlé escolheu a etnografia. A intenção era entender os valores, sonhos e expectativas de vida das pessoas, não focando em categorias de produto. Renata Ribeiro, gerente Consumer Intelligence da empresa, explicou como se deu à ida ao campo de 42 executivos-pesquisadores, distribuídos em quatro cidades, com acompanhamento de pessoas por dois dias.

A empresa visualizou oportunidades para valorizar a dona-de-casa como centro da família e como mulher, ajudando no planejamento orçamentário e buscando caminhos para facilitar acesso aos produtos da marca. Com a observação, detectaram a importância de mostrar de maneira didática o rendimento dos produtos e de agregar valores nutricionais. Surgiram daí iniciativas como aproveitar sobras, oferecer embalagens familiares, associar-se com cosméticos como brinde, montar uma cesta diversificada mais acessível, ter embalagens funcionais e reutilizáveis ou que funcionem como refil e utensílios ou até brinquedos. O sistema de distribuição passou a incluir o Porta-a-Porta, pessoas da própria comunidade que comercializam os produtos na sua vizinhança e geram experimentações e boca-a-boca, e ainda caminhões que são lojas exclusivas com toda a linha. “Foram ações, envolvendo toda a empresa e não só o marketing, que surgiram da etnografia”, destaca Renata. A etnografia ajudou a gerar hipóteses para investigação mais profunda sobre novas abordagens ou conhecimentos pré-existentes, sensibilizando a equipe para olhares complementares.


Fonte: Por Rodrigo Cogo – Gerenciador do portal Mundo das Relações Públicas
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …